.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Quarta-feira, 12 de Julho de 2017

AINDA GLOSANDO FLORBELA ESPANCA !!!

medo.jpg

RENÚNCIA



A minha mocidade há muito pus
No tranquilo convento da tristeza;
Lá passa dias, noites, sempre presa,
Olhos fechados, magras mãos em cruz...

Lá fora, a Noite, Satanás, seduz!
Desdobra-se em requintes de Beleza...
E como um beijo ardente a Natureza...
A minha cela é como um rio de luz...

Fecha os teus olhos bem! Não vejas nada!
Empalidece mais! E, resignada,
Prende os teus braços a uma cruz maior!

Gela ainda a mortalha que te encerra!
Enche a boca de cinzas e de terra
Ó minha mocidade toda em flor!

Florbela Espanca, in "Livro de Sóror Saudade"

 

 



AFIRMAÇÃO

 

“A minha mocidade há muito pus”

No cantinho das coisas já passadas

Que guardo, dia a dia acumuladas,

Porque só a memória as reproduz...

 

“Lá fora, a noite, Satanás seduz!”

Mas eu que, renegando almas penadas,

Observo as gentes tristes e cansadas,

Deduzo cada medo que as traduz;

 

“Fecha os teus olhos bem! Não vejas nada!”

- Só fecho os olhos quando, atordoada,

Possa o sono nublar-me a lucidez!

 

“Gela ainda a mortalha que te encerra!”

- E eu quero lá saber de quem me enterra,

Se morro por chegar a minha vez?!

 

 

Maria João Brito de Sousa – 12.07.2017 - 16.26h



 

 

publicado por poetaporkedeusker às 16:48
link do post | "poete" também! | favorito
|
15 comentários:
De poetazarolho a 12 de Julho de 2017 às 23:04
“Mais além”

No infinito e mais além
Nunca foi um problema
Mas não revelo a ninguém
A chave deste sistema

Pode não vos parecer bem
Mas é tabu este tema
Pois revelar não convém
Face oculta dum dilema

Assim vos deixo a pensar
Ide em busca da solução
Que pode nunca surgir

O objectivo é não parar
Mais além me encontrarão
Mas convém não desistir.
De poetaporkedeusker a 13 de Julho de 2017 às 08:54
"COISA DE ESPÉCIE"

"Ir além" é coisa nossa,
Muito humana e natural;
Não há quem "além" não possa
Chegar, mesmo em seu quintal,

Mesmo se o medo o acossa,
Mesmo sentindo-se mal,
Mesmo quando a sorte troça
Dessa essência racional...

"Ir além", sempre o fizemos,
Sempre o faremos sonhando,
Projectando e construindo;

É um "bem" com que nascemos
E que foi frutificando
Porque sempre foi bem-vindo...

Maria João

Bom dia, Poeta! Entendo o "ir além" como algo muito próprio da nossa espécie, algo que nos é intrínseco e que nos caracteriza desde sempre... somos a única espécie que o pode consciencializar, embora na minha opinião, não seja nada de muito transcendente...

Aui vai, com o abraço de todos os dias!
De poetazarolho a 13 de Julho de 2017 às 23:50
“Disfunções”

Nosso modo de pensar
Embrulhado em cifrões
Faz o pensamento parar
Quando se fala em milhões

Podem até tudo queimar
Ardendo as populações
Deixar-se tudo roubar
Dos rockets às munições.

Deverá um dia mudar
Pensará sem hesitações
Quem não se deixam toldar

Por semelhantes aberrações,
Quem não pensa está a tratar
De os eliminar de funções.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 14 de Julho de 2017 às 07:14
CONFUSÕES

Nestas "eras" engendradas
Para endeusar os cifrões,
São,as gentes, enganadas,
Confundem-se opinões

E as convicções, baralhadas,
Vão rolando aos trambolhões
Enquanto se erguem fachadas
Pr`a esconder as confusões...

Andam, uns, às gargalhadas
E, outros, aos empurrões
Pelas ruas asfaltadas

Das suas opiniões
Que, por mais que engalanadas,
São escravas dos tais milhões...

Maria João

Bom dia, Poeta!

De saída para mais duas consultas, aqui vai o meu sonetilho-resposta-improviso. Depois lhe enviarei um mail.

Abraço grande!
De poetazarolho a 14 de Julho de 2017 às 22:12
“Depenada”

Em minh’alma alcatroada
As penas se vão colando
Constrói-se assim a estrada
Vão-se as penas realçando

Muita pena ou pouca pena
Pouco importa na verdade
Se a alma não é pequena
Ou refém da mediocridade

De manhã, de manhãzinha
Logo após a madrugada
Se a alma ainda fôr minha

Partirei sem dizer nada
E mais logo à tardinha
Regresso d’alma depenada.
De poetaporkedeusker a 15 de Julho de 2017 às 17:24
Cada alma traz as penas
Que a vida lhe foi doando;
Nuns, são as penas pequenas,
Noutros, vão-se agigantando,

Tornando-se longas, plenas,
Porque, esses, que as vão penando,
Mais do que as penas, apenas
Vão pela vida pugnando...

Alguns há que só depenam,
Pois por um nada condenam
Crendo ser sempre os maiores

E vão, de penas, enchendo
Os que passam não sabendo
Quem são os seus predadores...

Maria João

Boa tarde, Poeta! Iniciei este sonetilho-resposta por volta das sete da manhã, mas fui "raptada" por uma vizinha amiga que me veio buscar para almoçar... só agora o pude terminar.

Abraço grande!
De poetazarolho a 16 de Julho de 2017 às 11:40
“Construcções”

Pendem lágrimas de sal
P’ra irrigar a tolerância
Perdas não são um mal
Se refinam a paciência

Podes esculpir ao falhar
Sorrisos de serenidade
Com dor podes lapidar
Prazer furtado à ansiedade

Obstáculos te permitam
Abrir janelas d’inteligência
Demolir castelos de cartas

No final, se todos gritam
Partilha a tua ausência
Sai do meio das baratas.
De poetaporkedeusker a 16 de Julho de 2017 às 15:22
eheheheh...

Se a barata fosse cara,
Jamais teria subido
Todo o espaço que a separa
Deste meu espaço, é sabido...

Mas úma única vez
Tive essa amarga surpresa,
Faz um ano neste mês...
Não voltará, de certeza!

As perdas, são naturais,
Inevitáveis, normais...
Tão só as faltas de meios,

Sendo muitas, são demais
E os "danos colaterais"
São graves, severos, feios...

Maria João

Boa tarde, Poeta. Cá vai a "construção" possível, no momento.
Abraço grande!
De poetazarolho a 18 de Julho de 2017 às 01:05
“De cá e de lá”

Comboio era a vapor
A terra seria barrenta
Sentia-se aquele odor
De mentalidade cinzenta

Vivia-se no esplendor
Segregando a tormenta
Até que o muro em redor
Certo dia já não aguenta

E todos reivindicaram
A sua superioridade
Pois eram a parte boa

Aqueles que sobejaram
P’ra não haver duplicidade
Deixaram de ser pessoa.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 18 de Julho de 2017 às 07:43
Eu cresci à beira-Tejo,
Junto à linha de Cascais,
Frente ao mar que hoje mal vejo,
Entre estrada e areais...

Hoje, as memórias protejo;
Recordar nunca é demais
E são as boas que elejo
Sendo, algumas, bem reais...

Do "choque das gerações"
Me recordo muito bem;
Cá tive as minhas razões

Para achar que a minha mãe
Ficava aquém das pulsões
Que nos levam muito além...

Maria João

Bom dia, Poeta! Aqui vai com o abraçode sempre!
De poetazarolho a 20 de Julho de 2017 às 00:46
“Escravizados”

O preconceito está feito
Não interessa a realidade
Nem interessa ser desfeito
Pois cairíamos na verdade

Na verdade não há proveito
E é mentira a sua metade
Outra metade não aproveito
Despida que é d’intensidade

Todos nus vamos andando
Chafurdando na mentira
Que estes dias padroniza

As grilhetas transportando
Essas já ninguém no-las tira
Já que a mente se escraviza.
De poetaporkedeusker a 20 de Julho de 2017 às 10:34


Tenho em casa uma vizinha
Que me veio visitar,
Pois não quis ficar sozinha
Quando qu`ria conversar.

Peço desculpa, porém;
Não sabendo o que dizer,
Digo-lhe que fico sem
Conseguir-lhe responder...

Quanto à nova escravatura,
Tem razão... é muito dura,
Tão ou mais que a mais antiga

Porque a nova ditadura,
Nunca pára, nem descura...
E, de qualquer forma, obriga.

Maria João

Bom dia, Poeta! Peço desculpa, mas tenho mesmo uma vizinha amiga cá em casa, motivo pelo qual este sonetilho vai ainda mais "martelado" do que o costume.

Abraço grande!


De poetazarolho a 21 de Julho de 2017 às 06:41
“Às voltas”

A mente manda em mim
E na mente mando eu
Não sabia ser assim
Mas assim aconteceu

E anda num frenesim
Mas sempre desconheceu
Só eu escrevo o boletim
Que a pobre sempre leu

Dessa leitura concluo
Muito pouco aprendeu
Menos ainda aprenderá

Nesta mente eu diluo
As voltas que ela deu
E todas mais que dará.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 21 de Julho de 2017 às 10:12
ÀS VOLTAS II

Poeta, irei sair não tarda nada...
Trata-se duma consulta excepcional
Que na outra semana foi marcada,
Uma vez que o valor estava bem mal,

Da espessura do sangue, essa malvada
Que desceu muito abaixo do normal,
Não porque eu tenha sido desleixada,
Mas porque é metabólico... e letal.

Eu, pela mente, pugno a tempo inteiro;
Minha maior riqueza e meu luzeiro,
Vai funcionando, ainda, muito bem...

O "resto" é que anda todo escangalhado...
Por isso é que me sai desafinado
O "tom" deste soneto... e eu, também.

Maria João

Bom dia, Poeta! Desta vez saiu-me a "resposta" em soneto, em vez de sonetilho. Vai desafinado e martelado, mas é o possível, dentro das circunstâncias...

Abraço grande!
De poetazarolho a 24 de Julho de 2017 às 21:52
ABUTRES

Sopra forte a ventania
Arde a mata num momento
E a Ministra bem podia
Ter mandado embora o vento.

Salivam, já em orgia,
Saltam de contentamento
Abutres que com mestria
Se aproveitam do tormento.

Já vêem chegar o tempo
De cumprir o ideário
Que correu a contratempo

E, embora tarde demais
Traz fulgor incendiário
E cios eleitorais.

Eduardo

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. AINDA GLOSANDO FLORBELA E...

. EXPLICAR-VOS TUDO, NÃO SA...

. GLOSANDO MARIA DA ENCARNA...

. GLOSANDO JOÃO MOUTINHO

. GLOSANDO A POETISA MARIA...

. INFILTRAÇÔES

. O POEMA E EU

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds