.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Sexta-feira, 23 de Novembro de 2012

AOS 1.385.068 DESEMPREGADOS PORTUGUESES EM NOVEMBRO DE 2012 - EXIGIMOS!

Não pedimos faustosos vestidos

Sobre as carnes já tão castigadas

Do chicote das lascas dos vidros

Das janelas de esp`ranças quebradas!

 

Queremos pão, pois não fomos vencidos,

E o direito, que é nosso, às moradas

De alicerces por nós construídos,

Pelas mãos que, ora, vedes paradas!

 

Exigimos saúde e futuro

Sobre um solo a que temos direito

E este sonho indomável, mas puro,

 

De alcançar esse fruto maduro

Que, ao crescer, cá por dentro do peito,

Nos falou de um devir menos duro!

 

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 22.11.2012 – 19.45h

 

 

 

IMAGEM - Os Comedores de Batatas - Vincent Van Gogh

sinto-me :
publicado por poetaporkedeusker às 18:30
link do post | "poete" também! | favorito
|
31 comentários:
De jabeiteslp a 23 de Novembro de 2012 às 18:44

só com uma flor

a esse teu saber dizer e falar de amor...


feliz noite
De poetaporkedeusker a 23 de Novembro de 2012 às 22:00
Uma flor também para ti, Anjo! Bela quadra!
De jabeiteslp a 23 de Novembro de 2012 às 23:29
bela noite pra ti e os teus quadrúpedes velhotes...

De poetaporkedeusker a 23 de Novembro de 2012 às 23:39
Obrigada, Anjo!
A verdade é que eles são muito mais velhos do que eu, comparativamente claro... mas eu não sei se não estou ainda mais "estragada" do que eles... cada vez me vejo mais aflita para descer aquele lance de escadas com o desgraçado do Kico "pendurado" pela trela peitoral, eheheh... já raramente consigo levá-lo mesmo ao colo... ele não morre de amores por se sentir pendurado mas é o que se vai podendo arranjar...

Feliz e sossegada noite!
De jabeiteslp a 23 de Novembro de 2012 às 23:40

muito feliz e sossegada também
De poetaporkedeusker a 23 de Novembro de 2012 às 23:42
... e com um soninho muito reparador
De jabeiteslp a 25 de Novembro de 2012 às 09:29
Um feliz domingo
De poetaporkedeusker a 25 de Novembro de 2012 às 18:10
Um feliz restinho de Domingo, Anjo!
De poetazarolho a 24 de Novembro de 2012 às 00:19
“Outra revolução”

Este mundo proscrito
É mundo que não avança
O futuro não está escrito
Nem prometida esperança

Dum passado de evolução
Ao presente envenenado
Oferecem-te a desilusão
E este mundo estagnado

Não te oferecem opção
Mas ficarás resignado?
Ou a resposta será não

Não quero ser violentado,
Respondes com revolução
Mas sem o cravo encarnado.
De poetaporkedeusker a 24 de Novembro de 2012 às 15:10
Respondi, sem o saber,
Através do sonho de hoje...
Revolução, há-de haver
De onde o cravo já não foge!

Sei que tenho uma só voz,
Sei que pouco "peso" tenho
Mas, quando sonho por nós,
Meu sonhar nem tem tamanho!

Novas opções surgirão
Pois, dê lá por onde der,
Há-de haver revolução

E, em prol dessa evolução,
Eu poeta ou eu mulher
Nunca lhe direi que não!


Abraço grande, Poeta!



De poetazarolho a 24 de Novembro de 2012 às 00:22
No.5 na ponte.
De poetaporkedeusker a 24 de Novembro de 2012 às 14:18
Não cheguei a ir à Ponte, ontem à noite, Poeta... tive de "desligar-me" um pouco mais cedo porque estava mesmo muito dorida. Vou agora!
De poetazarolho a 24 de Novembro de 2012 às 19:56
“Sem futuro”

É pobreza envergonhada
Ou será a porca miséria
P’la economia leiloada
Nesta sociedade galdéria

Nesta sociedade sem lei
Sobrevive o mais forte
Onde o futuro bem sei
Será ditado p´la sorte

A maioria com seu azar
Fará das tripas coração
O diabo esse amassou

Pão que nos irá calhar
E esta é a triste canção
Que em sorte nos calhou.
De poetaporkedeusker a 24 de Novembro de 2012 às 22:10
Poeta, não resisto a deixar-lhe estas quadras que me nasceram mesmo agora quando eu estava a tentar escrever um poema de verso branco. Aqui vão!


Eu sou à minha maneira
E, embora muito partida,
Vou andando, sempre inteira,
Sempre a fazer pela vida…

Decido à minha vontade,
Nunca falo de terceiros
E digo sempre a verdade
Sem rascunho e sem roteiros

Mas as rimas – sempre as rimas!
Atropelam-me as palavras,
Julgam-se umas obras-primas
Donas das mais puras lavras!

Por um nada tomam forma
E eu, deixada ao deus-dará,
Vejo-as pautadas na norma
De dizer; - Melhor não há!

Deixam-me as portas abertas…
Lá me foge o que eu diria
Se essas tolas, sendo espertas,
Vissem bem que, hoje, as não queria!

Da meditação talvez
Me nascessem versos brancos
Se elas, às duas por três,
Me “largassem os tamancos”…

Mas não! As tolas, teimosas,
Senhoras do seu nariz,
Vão-me destruindo as prosas,
Pr`a rimar quando eu nem quis!

De poetazarolho a 25 de Novembro de 2012 às 13:48
Gosto (like). Um poema de verso branco, qu'est que c'est.
De poetaporkedeusker a 25 de Novembro de 2012 às 17:06
Olá, Poeta!

Poema de verso branco é todo aquele que não obedece a uma estrutura poética pré-estabelecida, desde à muito, pelos poetas e consagrada pelas normas poéticas. São exemplos de poesia normativa, as quadras, as quintilhas, as décimas, as moaxahas - fiquei a conhecê-las neste Verão e até já fiz uma -, os sonetilhos e, considerados os "reis" da poesia, os célebres sonetos que podem apresentar mais do que uma variável na contagem das sílabas métricas.
Os poemas de verso branco, abdicam da rima. Nenhuma norma lhes é imposta em termos de rima ou contagem de sílabas métricas (poéticas), mas têm forçosamente de "jogar" com a musicalidade das palavras e a excelência da mensagem, sob pena de não passarem de "imitações de poesia". Ao contrário do que a maioria pensa, não é mesmo nada fácil fazer um bom poema de verso branco.
Deixo-lhe um exemplo de um poema de verso branco feito por mim; http://liberdadespoeticas.blogs.sapo.pt/21004.html
De poetaporkedeusker a 25 de Novembro de 2012 às 17:07
AIIII!!!! Que erro tão atroz!!! Queria dizer "desde há muito"
De poetazarolho a 24 de Novembro de 2012 às 20:01
Uma Lisboa diferente na ponte.
De poetaporkedeusker a 25 de Novembro de 2012 às 17:10
Só agora consigo ir à Ponte... hoje estive num evento e só me despachei agora. Levaram-me e trouxeram-me a casa, claro, e estive todo o tempo sentadinha, como não podia deixar de ser...
De poetazarolho a 25 de Novembro de 2012 às 13:44
Chá aprovado com distinção.
De poetaporkedeusker a 25 de Novembro de 2012 às 17:58
Hummmm... vou ver!
De poetazarolho a 25 de Novembro de 2012 às 13:45
A SESTA DO DEPUTADO

Na sesta, o deputado,
Em plena Assembleia,
Dorme sono repousado.
Acorda de volta e meia

Mas prossegue consolado
Com a barriga bem cheia
Mente sem qualquer ideia,
Canto da boca babado.

Não acorda assustado,
É sono sem pesadelo,
É soninho descansado.

Boceja, discretamente,
Passa a mão pelo cabelo
E vai-se embora, contente.

Eduardo
De poetaporkedeusker a 25 de Novembro de 2012 às 17:37
Tenho grande admiração
Por alguns dos deputados,
Embora lhe dê razão
Porque alguns são desleixados...

Alguns vão pela ambição,
Não têm nada de honrados...
Uns, condenando a aflição
E outros, rindo desbragados...

Alguns até dormirão
Sobre os louros alcançados,
Outros, do povo virão

Pois têm opinião
E estão sempre entusiasmados
No combate à exploração...


Não consigo dizer senão o que sinto, amigo Eduardo... não pense que não gostei ou que fiquei minimamente aborrecida... é que nem pensar! Mas foi isto o que me saiu...

Muito grata por mais esta sua colaboração, envio um abraço dos grandes para si e Maria dos Anjos!
De ligeirinha a 25 de Novembro de 2012 às 17:09


Poeta querida venho saber de ti....tim-tim por tim-tim, ok?
Quantos vezes me invades , sem licença
Mas sempre presente na incognita do meu mundo....
Seria nada , pequenina, sem a tua amizade!
Crê!!!!
De poetaporkedeusker a 25 de Novembro de 2012 às 17:56
Minha Ligeirinha!!!

Que bom saber que lembras de mim!!! Olha que fico toda vaidosa, eheheh

É curiosíssimo... só há pouquinho pude pegar no computador, mas lembrei-me, hoje, várias vezes de que te não tinha identificado nos últimos sonetos que publiquei no Face... trazia esse reparo na memória, mas vim primeiro responder ao Poeta Zarolho e não te garanto que me não esquecesse nestes "entretantos"... a minha memória sempre foi meia "furada"... quando eu teimo em confiar nela, prega-me as maiores partidas... mas agora não me vou esquecer!

Tim-tim por tim-tim... nem sei que te diga... estou mais perra do que uma porta velha, continuo muito "presa" do lado esquerdo - sobretudo... - e levo uns bons 10 minutos para percorrer 20 metros... valeram-me uns dois ou três dias de grande inspiração! Embora continuando a quase não conseguir andar, entusiasmei-me a valer com o trabalho poético... acho que sou mesmo uma poeta incurável, eheheh...
O Kico parece uma peça de um antiquário, mas ainda por cá anda... os meus amigos Sigmund e Garfield não têm andado mal de todo e até a pombaria se mantém vivinha!

Um grande, grande beijinho para ti, Ligeirinha!
De ligeirinha a 25 de Novembro de 2012 às 21:59

gostei tanto de saber de ti...meu braço perdido....!

Dos teus gatinhos tambem gostei muito de os saber "por aí"...

Essas dores do lado esquerdo, é estranho....terá sido um hictus ligeirinho?
Não fumes!!!!
Esta crise é tremenda mesmo, anda tudo irritado ou deprimido, não achas?
Eu pelo menos tenho que viver com 2 deprimidos há já muitos muitos anos....
Penso sempre em te fazer uma visita, agora que os meus joelhos finalmente não me doem!!! Caspite!
Beijinhos muito grandes....


De poetaporkedeusker a 25 de Novembro de 2012 às 22:42
Ah, Ligeirinha, não foi hictus nenhum! Isto dura há imensos meses e, se eu estou deprimida, então a Europa está... florescente!!! Claro que ando um tanto ou quanto furiosa... mas é fúriazinha genuína e pertinente, não tem nada a ver com depressão... mas já te adicionei ao poema que acabo de escrever, Ligeirinha... não sei se ainda te consigo adicionar aos outros, de ontem e anteontem... ehehehe! Gostei desse Caspite!!! Ora ainda bem que, ao menos tu, te viste livre das mazelas físicas!
Diz lá à doida da minha coluna que não esteja toda dobrada para o lado esquerdo e que não me doa... pode ser que ela te oiça, eheheheh...

Beijo grande, grande!
De poetazarolho a 25 de Novembro de 2012 às 19:06
“Mundo errado”

Anda louco o mundo
Só eu é que estou são
Anda também imundo
Apenas eu é que não

Então não serei daqui
Ou não serei de agora
Mas antes eu não vivi
Será esta a minha hora

Que fazer para mudar
Será que mudarei eu
Ou o mundo mudará

Não estarei p’ra elucidar
Este mundo não é o meu
Afinal não era de cá.
De poetaporkedeusker a 25 de Novembro de 2012 às 19:18
Sempre foi um pouco louca,
Esta louca humanidade
Que corre de boca em boca
Sem saber toda a verdade...

O mal dela, meu amigo,
É não saber entender
Que às vezes se expõe ao p`rigo
Querendo a verdade saber...

Nem sabe que é relativa,
Portanto nunca alcançável
Por muitos anos que viva...

Mas deve-se ir sempre além
Numa procura incansável
De uns pedacitos, também!


Abraço grande, Poeta!
De poetazarolho a 25 de Novembro de 2012 às 19:13
Mais um pouco de Facundo na ponte.
De poetaporkedeusker a 25 de Novembro de 2012 às 19:24
Vou vê-lo, Poeta!

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. GLOSANDO A POETISA MARIA...

. INFILTRAÇÔES

. O POEMA E EU

. CALADA

. GLOSANDO MARIA DA ENCARNA...

. GLOSANDO HELENA FRAGOSO I...

. GLOSANDO MARIA DA ENCARNA...

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds