.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Quinta-feira, 9 de Fevereiro de 2012

DO AMOR PARA ALÉM DE NÓS

 

Que deste amor, de havê-lo amado “além”,

Me sobre, em estro, a voz para o cantar,

Pois sendo amor mais vasto e mais lunar,

Transcende o que me venha de outro alguém…

 

Se me não sei explicar, se mais ninguém

Humanamente o pode adivinhar,

Explicá-lo-ei à Terra, ao fundo mar,

Ao claro, imenso azul que nos contém

 

E, quando falte azul, sobrar-me-á

Desta imensa, insurrecta, convicção,

No arquivo de insondáveis da memória,

 

Isto que, para mim, perpetuará,

Em colorida-ambígua tradução,

A sintetização da nossa história…



 

 

Maria João Brito de Sousa – 09.02.2012 – 19.13h



NOTA - Soneto totalmente reformuladoa 15.06.2015

 

 

 

 

 

sinto-me :
publicado por poetaporkedeusker às 19:46
link do post | "poete" também! | favorito
|
14 comentários:
De poetazarolho a 9 de Fevereiro de 2012 às 21:38
“Passado do futuro”

Futuro ao virar da esquina
Deste portugal de bananas
Democracia é pequenina
E mal gerida por sacanas

Democracia é a substituição
D’alguns corruptos apenas
Por incompetentes em aluvião
Que se pavoneiam às centenas

Acreditem não sou eu que digo
D.Carlos, Bernard Shaw e Eça
Relataram este filme no passado

E não parece filme tão antigo
Até me parece actual esta peça
Onde figurante povo é sacrificado.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 9 de Fevereiro de 2012 às 22:15
Já o li e aqui subscrevo
O que acaba de dizer!
Fazendo aquilo que devo,
Não me posso arrepender!

A pobre Democracia
Deste nosso Portugal
Está despojada, vazia,
E agora só nos faz mal!

Todos esses que escreveram
Sobre os males do mundo inteiro
Foram homens de visão

Por isso sobreviveram,
Até mesmo ao deus dinheiro,
Nessa sua opinião!


Um abraço grande, Poeta! Para si e para todos vós! :)

De poetazarolho a 9 de Fevereiro de 2012 às 21:43
“Espiral louca”

Sustentável leveza de não ser
É forma de existir confortável
Na actual sociedade do ter
Em que viver é insustentável

Podes existir, não mais viver
Existes e de forma inalienável
Concedem-te direito a sobreviver
Numa espiral louca e inenarrável

Agradeces a benesse concedida
A quem te oferece a sobrevivência
Se te permitissem mais irias sofrer

Assim tens existência protegida
Contra um estado de demência
Como alternativa emigrar ou morrer.
De poetaporkedeusker a 9 de Fevereiro de 2012 às 22:02
Lá morrer, hei-de morrer
Que a isso não vou escapar
Porém, doa a quem doer,
Não me hão-de ver emigrar!

Quanto ao "ter", possuo apenas
Esta graça de ir sonhando
E, às vezes, estas pequenas
Quadras que vou poetando...

Sobrevivo, isso é verdade,
Mas não consigo aceitar
Que outros sejam vitimados

Por toda esta insanidade,
Por este "desgovernar"
A que todos são votados!


Boa noite, Poeta :)
De PaperLife a 10 de Fevereiro de 2012 às 12:36
Lindíssimo Maria :)
Perante tais palavras, não necessito de acrescentar mais nenhumas ^^
De poetaporkedeusker a 10 de Fevereiro de 2012 às 14:04
Obrigada, Paper! :)
Um abraço grande, grande! :)
De poetazarolho a 11 de Fevereiro de 2012 às 00:35
“A sentença”

Eu não entrego os louros
Os louros são-nos roubados
Pelos ladrões de tesouros
De governantes disfarçados

Entregam o oiro ao bandido
A seguir vão-se endividar
P’ra nós piegas, o gemido
Somos carne para exportar

País não precisa de auxílio
Precisa vergonha e bom senso
Enviar alguns para o exílio

Da nossa maior indiferença
Encetar um processo intenso
Haja quem leia a sentença.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 11 de Fevereiro de 2012 às 00:50
:)

Deixo aqui o meu abraço
Para quem venha de novo;
Vou ao Terreiro do Paço,
Faço o Terreiro do Povo!

Porque isto há-de ir, meu amigo!
Há-de ir mais tarde ou mais cedo,
Que o poder do inimigo
Reside no nosso medo!

Tragam amigos, cartazes,
Tragam as mãos levantadas
E nelas o coração!

Amanhã, somos capazes
De percorrer cem mil estradas
Só pr`a lhes dizer que não!


Abraço grande, Poeta! :) Para todos, todos vós, o maior dos meus abraços! Até amanhã, sempre!

De poetazarolho a 11 de Fevereiro de 2012 às 00:40
“Além mente”

Partamos além da mente
Muito há para descobrir
Sem a poluição residente
Ninguém nos pode impedir

O mundo de ideias feitas
Há muito entrou em falência
Novo mundo não enjeitas
Além mente a clarividência

Se daqui não nos libertamos
Não passaremos de normais
Reféns duma existência banal

Aprisionados que continuamos
Nas nossas prisões conceptuais
Libertemo-nos da prisão mental.
De poetaporkedeusker a 12 de Fevereiro de 2012 às 22:17
Ai, Poeta, quem me dera
Que toda a gente tivesse
O "conceito de conceito"...
Logo eu ficaria à espera
Que o ser humano crescesse,
Se tornasse mais perfeito...

Talvez o próprio poder
Lhe incutisse o estranho medo
Que cria escravos e servos
E, enquanto o não perder,
O resto fica em segredo
[dizem que faz mal aos nervos...]


Só agora redescobri este seu sonetilho que ficou por responder, entre acessos falíveis, bicharada a fazer das suas e as minhas maleitas todas :) Saiu-me assim, em sextilha paupérrima...
Abraço grande!
De poetazarolho a 11 de Fevereiro de 2012 às 00:44
A LUSITANA CAPOEIRA

Na promíscua capoeira lusitana
Por todo o lado se vêem poleiros
Perfilam-se os galos, todos, com a gana
De ocuparem, sempre, os lugares cimeiros.

Vaidoso o chefe dos mais galinheiros
Se em dias festivos, sua cauda abana
E calha a falar de seus espigueiros
Sempre, a fazer contas, se enrola e se engana.

As fêmeas canoras e as de cacarejo
São raras e assaz bem incompetentes…
Trocam sempre as notas se fazem solfejo

Qualquer delas prima por má poedeira
Só quando um dia lhes nascerem dentes
Vai ter qualidade a lusa capoeira

Eduardo
De poetaporkedeusker a 11 de Fevereiro de 2012 às 01:17
Fez-me sorrir, meu amigo Eduardo... desde há umas horas que sorrio muito e é como se todos vocês estivessem mais perto de mim. Acho que estou a ficar mesmo piegas... mas não se assuste! Não é aquela pieguice lamechas e preguiçosa de que o nosso primeiro nos acusou... é outra coisa. É uma paz enorme, semelhante à que me vem quando está para surgir um soneto... que, sei-o bem, não vai surgir agora. Estou com sono, com o sono manso e fundo da criança pequena. Peço-lhe desculpa, mas não vou poetar... agora, só sinto que vos devo abraçar a todos porque, amanhã, será como se vos leve a todos comigo. Será como se vos leve a vós e a todos os meus sonetos também... será como se leve os meus pequenos amigos de quatro patas e todas as minhas memórias de vida.
Hoje abraço-vos e digo-vos até amanhã. Até amanhã, amigos. Sempre!

Maria João :)
De poetazarolho a 11 de Fevereiro de 2012 às 21:25
“Cálice de ouro”

Quando tiverem dentes
E puserem ovos de lata
Então estaremos contentes
A galinha já não se mata

Então será muito a sério
Riqueza ter-se-á acabado
Mesmo a do quinto império
Tanto mundo desolado

Não mais cálices de ouro
Cruzarão lábios sedentos
Não mais lugar a lamentos

Haverá um novo tesouro
No mundo em construção
Após a sua destruição.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 11 de Fevereiro de 2012 às 21:51
Pobre galinhas, coitadas!
Para que hão-de querer os dentes
Se podem, de uma assentada,
Engolir várias sementes?

Os ovos de lata, então,
Pr`a que lhes hão-de servir?
Mas que grande confusão!
Isto é pr`a me fazer rir?

Mas voltemos ao início,
Falemos do quinto império
Pois não há sonho, nem vício,

Que não tenha o seu porquê,
Que não traga o seu mistério
E o sexto... ninguém o vê!


Ah, Poeta! Acho que adquiri um reflexo condicionado qualquer... de cada vez que fala em galinhas e ovos de lata, desmancho-me a rir! E olhe que estou cansadíssima porque, conforme lhe disse, fui mesmo à manifestação. Estive, mais do que uma vez, à beirinha de "cair para o lado", mas lá me aguentei o melhor que pude. Agora é esperar que as dores vão diminuindo... ou não, porque ,muitas vezes, ainda estou pior no dia seguinte...
Beijinho!

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. GLOSANDO JOÃO MOUTINHO

. GLOSANDO A POETISA MARIA...

. INFILTRAÇÔES

. O POEMA E EU

. CALADA

. GLOSANDO MARIA DA ENCARNA...

. GLOSANDO HELENA FRAGOSO I...

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds