.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Terça-feira, 6 de Dezembro de 2011

ALENTEJO II

Ó terra de oiro antigo e céu sem fim

Pontilhada de verde e de castanho,

Eu quero-te sem prazo e sem tamanho

Com este querer maior que existe em mim

 

Terra de ervas e flores, como um jardim

Espraiando-se orgulhoso em chão de antanho

E onde o corpo móvel de um rebanho

Nos surge e se nos deixa ver assim...

 

Que o teu povo magoado te acrescente

Os laços sempre férteis da semente

E possa eternizar-te no seu  "cante "

 

Que a tua voz se eleve eternamente,

Que sempre seja livre a tua gente

E que haja em ti fartura a cada instante!

 

 

 

 

Maria João Brito de Sousa  06.12.2011 - 15.21h

 

Reformulado a 22.11.2015

 

 

Imagem do Alentejo, retirada da internet

sinto-me :
publicado por poetaporkedeusker às 15:06
link do post | "poete" também! | favorito
|
20 comentários:
De poetazarolho a 6 de Dezembro de 2011 às 22:11
Lindíssimo retrato do Alentejo meu.
De poetaporkedeusker a 7 de Dezembro de 2011 às 00:18
:D Obrigada, Poeta! Nem sei como o consegui fazer porque tenho estado a arder em febre... já tomei benuron e não baixa. Chá quente, xarope, tudo o que é clássico menos a cama. Isso eu já disse que é só para dormir e morrer... :))
Mas não sei se vou conseguir responder aos sonetilhos... acho que estou meia estupidificada pela febre.. mas posso tentar... se não conseguir, fica para amanhã, espero eu. Ao menos que seja daquelas gripes que dão "forte" e passam depressa...
Abraço grande! :)
De poetazarolho a 6 de Dezembro de 2011 às 22:11
“Escudo recauchutado”

Volta escudo estás perdoado
É certo que eras fraquinho
Mas éramos felizes a teu lado
Tão barato bebia o cafezinho

Voltará contigo a magreza
Dum consumo mais restrito
Mas controla-se a despesa
Que a gastar vejo-me aflito

Deixaremos de ser nobres
E de andar endividados
Voltaremos a ser pobres

Mas também mais honrados
De novo contaremos os cobres
Serão escudos recauchutados.
De poetaporkedeusker a 7 de Dezembro de 2011 às 14:43
Poeta, peço desculpa. Não estou nada bem, cada vez tenho mais febre e penso que isto evoluiu de gripe (infecção viral) para infecção bacteriana. Nem sei o que faça pois só agora me consegui levantar um bocadinho. Os animais já tinham feito tudo onde não deviam e eu mal consegui limpar metade do que eles sujaram. Já tomei todos os clássicos para a gripe e cada vez estou mais aflita. Não dá para poetar e até responder em prosa me está a custar. Beijinho.
Não fui ao CP nem ao CJ... também nem telefonei porque estou quase, quase sem saldo e posso precisar de chamar alguém... sei lá, a D. Isa ou a D. Fernanda... para me irem lá abaixo com o Kico... o pior é que elas já não podem com ele ao colo e ele já nem consegue descer as escadas que dão para a porta da rua... caramba! Preciso de melhorar depressa...
De poetazarolho a 7 de Dezembro de 2011 às 23:08
PIB

Sonetilho (em contraponto e um do Pedro)

Há para aí um produto
Que, se nosso, é interno
Se, do vizinho é externo
E a que chamam de bruto

Bruto será, ad eterno
Quem mal cuida do seu fruito
Já que estando no Governo
Não pensa pouco nem muito.

Porque o produto referido
Gera macroeconomia
Se ele for bem gerido

Mas quem o gere tão mal,
Por ter microencefalia
Esse é o bruto, afinal.

Eduardo
De poetaporkedeusker a 8 de Dezembro de 2011 às 21:17
Boa noite, amigo Eduardo. Lamento não estar ainda em condições de lhe responder condignamente. Este desconforto provocado pela febre - embora menos alta agora - e pelas dores, tem o condão de me roubar a capacidade de poetar... até a de responder em prosa ou entender o que leio, mas vai dando para uma respostazinha mal-alinhavada e sem fazer grandes cerimónias. Ontem tentei, por mais do que uma vez, descodificar alguns textos mais longos que me foram enviados e tive de desistir. Até as letras parecem bailar-me diante dos olhos e acabo por ficar exausta logo nos primeiros parágrafos.
Entendi, contudo, o seu sonetilho que está muito bom, como todos os que me tem enviado.
Hoje comprometi-me a ir ao hospital caso a febre não baixasse... e ela baixou um nadinha... estou "como o tolo no meio da ponte"... mas a verdade é que pior não estou e talvez valha a pena alargar este prazo até ao final da tarde de amanhã...
Para já, se não fizer grandes esforços, consigo fazer o indispensável que é tratar dos animais e levar o Kico até à rua... vou ver se isto melhora amanhã!
Um abraço grande para si e esposa.

M. João
De poetaporkedeusker a 8 de Dezembro de 2011 às 23:29
Nem sei bem como seria
Se o escudo um dia voltasse...
Também dele não haveria
Importância que chegasse...

Mas penso que há guerra aberta
C`oas duas moedas fortes...
Euro, dolar... tudo acerta
Pelos devidos desnortes...

Não estivesse eu tão cansada
E a tremer do frio que tenho
- que esta noite está gelada! -

Talvez pudesse fazer
Versos de um outro tamanho
Que não estes... pr`a esquecer!

Poeta, ainda me atrevi a esta tentativa mas acho que mais valeria ter estado quieta...
Vou-lho levar enquanto, literalmente, tremo de frio...
Abraço grande!
De poetazarolho a 6 de Dezembro de 2011 às 22:52
A Maria já regressou à blogosfera

http://maria-made-in.blogs.sapo.pt/

e faz hoje 38 anos. Pensei que gostaria de saber.
De poetaporkedeusker a 7 de Dezembro de 2011 às 00:41
Obrigada, Poeta! Já fui deixar-lhe o meu abraço e os meus votos de um feliz aniversário mas não estou mesmo em condições de poetar... estou mais em condições de me atirar para cima da cama e esperar adormecer a ver se as dores de cabeça abrandam. Já agora, a febre também podia desaparecer que não faz faltinha nenhuma! :/
Mas posso contar-lhe, correndo o risco de o fazer num português mais ou menos macarrónico, que estive a ouvir o Rádio Horizontes da Poesia e adorei o programa que foi todo dedicado a Florbela Espanca e ao Alentejo. Estranhamente publiquei o meu soneto de hoje antes de o saber... ele há coincidências!
Abraço grande, Poeta amigo!
De poetazarolho a 7 de Dezembro de 2011 às 23:36
“Sonho de Portugal”

Andam ávidos por dinheiro
O que não é nada de novo
Havia onde sacar primeiro
Mas andam a sacar ao povo

Povo que pagas, não bufes
A tua alegria não tem preço
Toca os ferrinhos e adufes
Qu’ist’inda é só o começo

Outros dias virão depois
Vais voltar pr’agricultura
Na sua forma mais artesanal

Dão-te uma junta de bois
Realizas farta a semeadura
O sonho deste teu Portugal.
De poetaporkedeusker a 8 de Dezembro de 2011 às 00:37
Eu bem queria responder-lhe, Poeta... parece que a inteligência se me evaporou com a febre... e com ela a capacidade de poetar... até a de conseguir ler e compreender qualquer texto um pouco mais longo...
Isto é mesmo uma tristeza :( Vou mesmo ter de me ir deitar porque já percebi que nem vale a pena tentar escrever em verso...
Abraço grande e obrigada!
De poetaporkedeusker a 8 de Dezembro de 2011 às 23:49
De economista não tenho
Nem costela, nem saber
E quase sempre me abstenho
De sobre o tema escrever...

Saúde para arrancar
Da terra o que ela nos dá
Devo, também, confirmar
Que lamento mas não há...

E não sendo suicida
Vou chegando à conclusão
Que nem sequer tenho vida

O melhor será - quem sabe? -
Dizer à vida que não,
Rezar pr`a qu`ela se acabe...


Eheheheh... calma que eu suicida não sou, MESMO! A Florbela era, mas eu não. E não é por escrever sonetos que eu acho que deva sê-lo...
A febre está a voltar em força mas, desta vez, "pulou-me o pezinho para a brincadeira"... e não digo mentira nenhuma quando afirmo já não estar em condições para um trabalho que me exija deslocações e esforço físico. Essa parte é muitíssimo real e já há uns seis anos atrás eu - estava já doente desde muito jovem - me tinha de levantar às 4.40h para chegar ao centro às 8.30h. É que quando estamos com a mobilidade reduzida, levamos muito, muito mais tempo para fazer seja o que for.
Abraço grande, Poeta. Este foi feito em directo no seu blog e faço, agora, o caminho inverso...
De poetaporkedeusker a 9 de Dezembro de 2011 às 14:59
Esta coisa de querer ler
Tudo o que ficou pr`a trás,
Dá-me tanto que fazer
Que acho que nem sou capaz...

Já misturo a própria China
C `os jogos do capital
E uma ou outra falha interina
C`o a crise internacional...

Uma cimeira indecisa
Com a minha indecisão
Sobre ser, ou não, precisa

Uma nova intervenção
E, se um poema se eterniza,
É bem melhor que este não...


Tive de voltar até cá, Poeta... e saiu-me "isto" :))
É escusado tentar pôr-me em dia com as notícias que não vi durante estes "tempos da gripe". A minha cabeça parece que vai estalar e não faço senão meter os pés pelas mãos... tudo está a acontecer tão rapidamente, tão em simultâneo que eu já começo a duvidar que pudesse entender tudo, mesmo que estivesse no melhor da minha saúde... sempre vou aproveitando para, ao menos, tentar actualizar estes nossos sonetilhos...
Até já!
De poetazarolho a 8 de Dezembro de 2011 às 22:49
“Mau cheiro”

Vamos ser desqualificados
Novo rating está em estudo
E como lixo classificados
Teremos mau cheiro e tudo

Mercados não vão suportar
Forte odor a putrefacção
Pôr-se-ão por daqui a cavar
Ou sofrem uma intoxicação

Virão para a grande limpeza
As brigadas anti-poluição
Limpar-nos-ão até ao tutano

E vocês podem ter a certeza
Será total a reconversão
Da nossa matéria em metano.
De poetaporkedeusker a 9 de Dezembro de 2011 às 12:33
Sei do que é esse mau cheiro!
O Kico, hoje bem cedinho,
Fez cocó no quarto inteiro...
[só limpei há bocadinho..]

Com tanta dificuldade
Que nem pode imaginar
Limpei tudo e, na verdade,
Parece já não cheirar... :)

A febre, tendo baixado
Um bocadinho de nada,
Devia ter-me deixado

Um pouquinho mais saudável,
Algo mais aliviada...
Mas estou mesmo é... miserável!

Nem sei o que dizer-lhe, Poeta. Estou a ficar sem força para coisa nenhuma mas, não tendo nada a ver com o tema do seu sonetilho, aproveitei para relatar as desgraças desta manhã...
Abraço grande!
De poetazarolho a 9 de Dezembro de 2011 às 23:06
“A dívida explicada às crianças”

Paga a dívida se és criança
És governante faz a gestão
Credor não perde a esperança
Se lhe acenas com a solução

Se a solução é a vinte sete
Podes inclui-la no tratado
Que ninguém se compromete
E também não sai defraudado

Se é a vinte e três então
Um acordo devem assinar
Pois já sabem de antemão

Que não será para durar
É estratégia de alemão
Que a todos quer arrastar.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 10 de Dezembro de 2011 às 02:18
Não pagues, criança! Morde!
Morde a mão que te prendeu!
Que o teu opressor recorde
Que o que quer roubar-te é teu!

Mesmo que ninguém concorde
Com este conselho meu,
Que, ao menos, a ti te acorde!
Se alguém pagar, que o pague eu!

Nestes tempos tão difíceis,
Que tão dura realidade
Possa ser-te, a ti, poupada

Que estes tempos, como mísseis,
São, pr`á tua tenra idade,
Ferida aberta, ensanguentada...


Ainda me saiu este... com algum receio de me estar a exceder... nem sei muito bem em quê. Afinal foi isto o que eu senti no momento em que li o seu sonetilho. E eu tinha prometido, a mim mesma, e a si, que responderia, sempre, a primeira coisa que sentisse fortemente.
Abraço grande, Poeta!
De poetazarolho a 9 de Dezembro de 2011 às 23:11
“A crise explicada às crianças”

Eles caminhavam ordeiros
Às mãos do seu agressor
Eles pareciam cordeiros
Todos suportavam a dor

Eles eram uns bons milhões
Só uns milhares do agressor
Eles jazeram mortos no chão
O silêncio foi ensurdecedor

Mas a semente permaneceu
Em chão de sangue podrido
E quem pensa que venceu

Está prestes a ser vencido
Só que ainda não percebeu
Mas já está de morte ferido.
De poetazarolho a 10 de Dezembro de 2011 às 00:13
Errata, onde se lê "Eles eram uns bons milhões", deve ler-se "Eles eram mais de um milhão"
De poetaporkedeusker a 10 de Dezembro de 2011 às 02:01
Poeta, terei em conta a sua errata. Peço desculpa mas estou tão cansada que me parece que não vou ser capaz de escrever nada de jeito... tenho as notícias todas atrasadas e estas últimas, que todos recebemos, não são nenhuma maravilha...
Hoje até me passou pela cabeça que nós, portugueses, até nos estamos a aguentar muito bem! É que passamos os dias a querer acreditar que as coisas se vão definir - em termos políticos, claro - ou clarificar um bocadinho... e cada nova notícia consegue ser um pouco pior do que a anterior! Será que merecemos mesmo isto tudo?
Abraço grande!

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. CONVERSANDO COM ALDA PERE...

. DEUSES SOMOS NÓS!

. NATAIS DOS TEMPOS IDOS...

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. GLOSANDO MARIA DA ENCARNA...

. CONVERSANDO COM O POETA A...

. CHUVA

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds