.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Sexta-feira, 21 de Outubro de 2011

A TODOS OS RESISTENTES QUE PASSARAM PELAS PRISÕES DO FASCISMO

Foi num muro em que, sem liberdade,

Acoitado entre as lajes, tão frias,

Tu escreveste a palavra VONTADE

Conquistada ao granito dos dias!

 

Foi a tua resposta à maldade,

À traição e às demais vilanias

De quem queria apagar a VERDADE

Desse muro em que, ousado, a escrevias!

 

Foram tantas palavras negadas

Que a garganta guardou da denúncia

Dos que a queriam gritada entre os muros,

 

Quanto as dores, como pedras, caladas

Na nobreza da tua renúncia,

Semeando os teus sonhos mais puros!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 21.10.2011 - 13.48h

 

 

Imagem retirada da página que a Wikipédia criou para o 25 de Abril de 1974

 

 

NOTA - Soneto de nove sílabas métricas

sinto-me :
publicado por poetaporkedeusker às 13:35
link do post | "poete" também! | favorito
|
8 comentários:
De poetazarolho a 22 de Outubro de 2011 às 00:17
Caro Pedro

Já te tinha dito que fiquei confuso por matar o Bobo, ainda que tenha sido por vontade do Povo. Essa confusão levou-me a uma decisão definitiva. Podes enviar à Poetisa da Linha os dois sonetos que ao primeiro se seguiram, para que ela possa compreender a confusão que paira no meu pobre espírito. Já tive notícias e muito valiosas, em relação ao Bobo da Corte.
Beijos do pai e da Mãe-
Eduardo.

NEM REI NEM BOBO

Confusos que andavam pl´o acto impensado
Uma tal querela a todos dividiu
Mataram o Bobo, infeliz, coitado
Só servia o Rei porque o Rei pediu.

De os ver divididos, ficou consolado
Sua Majestade que logo anteviu
Que a depressão que o tinha atacado,
Talvez por contágio, o Povo atingiu.

Nas escadarias do Paço, assentado
De uma vez por todas «o Zé» decidiu
De punho no ar, bem alevantado:

«que riam os Bobos para «Os Rei Pasmados»
De reis e de momos sempre o Povo riu
Que fiquem p´ra sempre no castro encerrados».

Eduardo
De poetaporkedeusker a 22 de Outubro de 2011 às 03:15
Pobres bobos, pobres reis...
Todos feitos prisioneiros!
No final, como sabeis,
Chorarão seus cativeiros,

Autoflagear-se-ão
Por se sentirem culpados
De não terem compaixão
Pelos mais carenciados...

Cristalizados no tempo
- meras figuras de cera -
Não terão contribuído

Para a glória do momento...
A maior parte, "já era"
E nenhum deles fez sentido...

Apesar de muito ensonada, não quis deixar de contribuir para essa sua "confusão" que me parece estar a dar tão bons resultados em termos poéticos! Mudei-lhes o sentido, desarrumei-os, transformei-os... à minha maneira... espero que me não leve a mal mas, como muitas vezes tenho afirmado, a poesia é rebelde e esse é um dos seus maiores encantos.
Abraço grande para si e sua esposa!

Maria João


De poetazarolho a 22 de Outubro de 2011 às 00:27
"Grilhetas"

Nem um cêntimo pr’a guerras
Ou um tostão pr’a grilhetas
Tu que ouves tantas petas
Vê lá bem em quem ferras

Põe um filtro muito grande
Na antecâmara do teu pensar
Porque se não consegues filtrar
Vai haver quem te comande

Nem um escudo pr’a tabaco
Ou um euro pr’a whisky velho
Tanto fumar parte-te o caco

Beber ofusca-te o trambelho
O antepassado era um macaco
Tenta não ser um escaravelho.
De poetaporkedeusker a 22 de Outubro de 2011 às 02:45
De toda e qualquer desgraça
Sempre se tira vantagem
E, neste caso, sem "massa",
Fica o Zé sem beberagem!

Só faz falta o tabaquito
Que pode nem dar saúde
Mas dá ao poema escrito
A sua maior virtude...

Sem comer, já o Zé está,
Ou comendo pouco e mal
Como vai sendo costume...

Grilhetas? Se alguém lhas dá
Parece ser tão normal
Que a esmola já cheira a estrume!


Olá, Poeta! Só agora, comigo a cair de sono, a ligação parece estar mais estável... que dessincronias! Ainda consegui responder a este sonetilho, mesmo meia a dormir, mas não sei se consigo responder ao do seu pai...
Deixe-me dizer-lhe que se fosse só a porcaria das bebidas alcoólicas que viessem a encarecer, eu até bateria palmas às troikas todas!!!
Abraço grande!
De poetazarolho a 22 de Outubro de 2011 às 00:32
"Hominídeos"

Portugal é dos portugueses
Grécia aos gregos pertence
Aos povos ninguém vence
A Irlanda é dos irlandeses

Mas os povos estão cansados
Desta económico ditadura
Que desde a criação dura
Nestes e em tantos reinados

O dinheiro em todos manda
Esta é a natureza humana
E não pode ser contornada

O vil metal um cheiro emana
Que os hominídeos condiciona
É como pr’os macacos, a banana.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 22 de Outubro de 2011 às 02:59
Tenho tal raiva ao dinheiro
E à velha humana ganância
Que condena o mundo inteiro
À sua insana arrogância

Que só quem me conhecesse
Poderia imaginar!
Ah, Poeta, se eu pudesse,
Mandava-o "desinventar"!

Há que pense que há um preço
Pr`a cada humano mortal
Vender os seus ideais

Mas eu sei, porque os conheço,
De alguns tantos que, afinal,
Não vão com quem lhes der mais!

Abraço, Poeta! Ainda saiu mais este, entre bocejos e mais bocejos... :))




De poetazarolho a 22 de Outubro de 2011 às 09:26
Gosto muito!
De poetaporkedeusker a 22 de Outubro de 2011 às 12:56
:D Obrigada, Poeta!
Ontem à noite tive uma bela surpresa pois um dos meus sonetos, O MAR DENTRO DE NÓS, foi escolhido para participar num Passatempo de Outono no http://portuguesapoesia.blogspot.com/
e há uma hipótese de ele vir a ser declamado e gravado no Youtube. Suponho que o critério de escolha tenha a ver com o número de comentários que cada poema terá... já lá fui ver e deixar os meus agradecimentos.
Hoje não estou nada bem, embora a ligação me pareça um bocadinho mais estável do que o habitual... hoje sou eu que estou toda "partida" e febril... mas verei se consigo fazer qualquer coisita :) Começou a nascer-me outro soneto que se perdeu completamente quando vi o estado em que as diarreias do Beethoven deixaram a minha varanda maior... :(
Beijinho e bom fim de semana!

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. GLOSANDO JOÃO MOUTINHO

. GLOSANDO A POETISA MARIA...

. INFILTRAÇÔES

. O POEMA E EU

. CALADA

. GLOSANDO MARIA DA ENCARNA...

. GLOSANDO HELENA FRAGOSO I...

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds