.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Quarta-feira, 5 de Outubro de 2011

CIDADE SEM SENTIDO(S) - Soneto de nove sílabas métricas

 

Se a Cidade contasse os segredos

Das janelas fechadas dos dias

Quantos rostos e mãos não verias

Nas cortinas já gastas dos medos,

 

Quantos corpos em estranhos folguedos,

Quantas camas desfeitas, já frias,

Quantas mesas de pinho vazias

De uns pedaços de pão, mesmo azêdos?

 

Se a Cidade pudesse falar

E se erguida do chão, a gritar,

Rebentasse em protesto incontido

 

Levantando o seu punho no ar...

(ah, Cidade que eu tento inventar,

nem eu própria sei dar-te um sentido!)

 

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 05.10.2011 - 15.03h  

 

 

 

Imagem retirada da Internet, via Google

 

 

sinto-me :
publicado por poetaporkedeusker às 16:53
link do post | "poete" também! | favorito
|
22 comentários:
De PaperLife a 5 de Outubro de 2011 às 17:44
Se a Cidade falasse, com certeza que teria muita coisa a contar :)
Um belo retrato Maria :) Basta deixar a imaginação fluir através das palavras e podemos imaginar cada pormenor ^^
De poetaporkedeusker a 5 de Outubro de 2011 às 22:56
É uma maravilha conseguir fazer isso com os textos... qualquer texto, desde que consigamos "aderir" a ele, pode proporcionar essas imagens se tiver um mínimo de qualidade... mas nem todos conseguem "ler" dessa forma, Paper. Por isso é tão importante este elo que se cria entre o texto - poético ou não - e o seu leitor.
Obrigada e um enorme abraço!
De poetazarolho a 5 de Outubro de 2011 às 19:37
Já me sinto a viajar nessa cidade!
De poetaporkedeusker a 5 de Outubro de 2011 às 23:03
É um bocadinho selvagem, como eu às vezes sou, esta Cidade que "inventei" quase compulsivamente, Poeta. Selvagem no bom sentido... eu acho que o melhor de mim é um bocadinho selvagem e estou a lembrar-me de imensas coisas que, no meu léxico pessoal e intimista, têm uma boa conotação e, para muita gente, uma má conotação... e garanto que vou fazendo um esforço por entender e aceitar as metáforas de toda a gente...
Abraço grande e até já! :)
De poetazarolho a 5 de Outubro de 2011 às 19:40
Meu caro Pedro

O vetusto soneto apareceu. Continuo a encontrá-lo um pouco mórbido. Por outro lado, fico com o meu ânimo mais elevado, porque o meu estado de espírito actual, passados 57 anos e já na corrida para a meta final, proporciona-me um humor menos funesto. Estarei a rejuvenescer? Espero bem que sim, que a ferrugem das nossas carcaças nada tenha a ver com o que elas encerram, a nível dos neurónios. O pior é que a todo o momento pode haver um corte nos circuitos.
Mas no que respeita ao meu primeiro soneto estava para aí, num ficheiro que eu chamei «sem rumo certo» e assim sendo compreende-se que por falta de rumo e de arrumo, ele não aparecesse. O interesse manifestado pela Poetisa, talvez tenha contribuído para a sua emergência das trevas por onde se ocultava, por isso, envia-lho para ela o interpretar.


Do Além – l954 ou 1955.

Ó mãos tão puras das namoradas
Trazei-nos flores p´ras nossas campas
Vinde enfeitá-las, bem enfeitadas
Ó mãos tão ternas, ó mãos tão brancas.

Trazei-nos muitas e matizadas
Ó mãos tão lindas, de graças tantas…
Trazei-nos rosas, mesmo encarnadas
Trazei de todas p´ras nossas campas

Ó mãos tão puras das namoradas
Ó mãos de neve, que sois tão belas
Aquecei estas qu´estão geladas

Ó mãos tão alvas, ó mãos de Santas
Andai depressa, vinde aquecê-las
Que há tanto frio, cá nestas campas…

Eduardo
De poetaporkedeusker a 5 de Outubro de 2011 às 23:17
Muito obrigada pelo envio do seu precioso soneto, meu amigo Eduardo. Quem sou eu para fazer uma análise de um soneto, ainda por cima com uma temática tão romântica e que permite tantos, tantos tipos de leitura? Não me parece um soneto funesto e sim um que aposta na metáfora erótica, desde o início até à última palavra. Sei que pode ser uma leitura muito minha e não encontrar facilmente quem lhe dê uma interpretação similar, mas foi assim que li o seu soneto.
É-me facílimo imaginar este poema cantado por jovens estudantes a jovens meninas, estudantes ou não. Peço desculpa se a minha análise lhe parecer completamente fora do que esperava...
Continuo decidida a enviar-lhe o soneto do meu avô.
Um abraço para si e esposa.

Maria João
De poetaporkedeusker a 6 de Outubro de 2011 às 00:18
Aqui vai o soneto prometido, amigo Eduardo!

BELEZA FRIA...

Deus fez dos teus cabelos os trigais;
Dos teus olhos azuis a luz do dia;
Do teu riso bendito essa alegria
Que as aves andam a cantar, joviais...

Da tua dôr, a dôr que os pinheirais
Gemem à tarde, sob a aragem fria
E do teu pranto essa malancolia
Que tem a onda a suspirar aos ais

E dos teus seios virgens, fez as fontes
Onde bebem a graça e a beleza
As pastoras gentis que andam nos montes

E do teu peito frio, o duro gelo
Desolador, mais triste que a tristeza:
- O sol do Amôr não poude derretel-o!

Lisbôa, Março de 1916

António de Sousa

PS - Mantive a grafia original do manuscrito, um caderninho de rascunhos do jovem poeta.
De poetazarolho a 5 de Outubro de 2011 às 22:34
“Vagas”

Se te quedas imperturbável
Num cantinho d’encantar
Não encontrarás solo arável
Para a semente germinar

Deixa a zona confortável
Um dia poderás encontrar
Vaga alterosa e instável
Como quem se faz ao mar

Sente o perigo muito perto
Como qualquer navegante
Que navega em mar aberto

Ao alcançar porto de abrigo
O desconforto reconfortante
Sente nos braços dum amigo.
De poetaporkedeusker a 5 de Outubro de 2011 às 23:43
Eu não acredito! Perdeu-se um sonetilho que fiz agora mesmo! Já não consigo fazer outro igual!
De poetaporkedeusker a 5 de Outubro de 2011 às 23:57
Muita gente há, por aí,
Que tendo muita saúde
Pensa que não e se ilude
Mas não é o caso, aqui...

Amar tão só porque é moda
Não me cabe nas ideias
E as minhas andam tão cheias
Que tudo o mais me incomoda...

Mais a mais ainda creio
Que pr`amar dessa maneira
Deveria apaixonar-me...

Não tendo qualquer receio,
Não quero fazer asneira
E muito menos casar-me!


Poeta, o primeiro sonetilho que fiz em resposta a este, desapareceu no ecrã... este não estará exactamente igual mas foi o que me saiu...
Abraço grande! :D

De poeta_extase a 6 de Outubro de 2011 às 01:48
Que bela cidade!
Pudera habitá-la e em suas ruas ornadas de flores formar alguns versos.

Belos versos, belo soneto, bela cidade poetisa!
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Que bela cidade! <BR>Pudera habitá-la e em suas ruas ornadas de flores formar alguns versos. <BR><BR>Belos versos, belo soneto, bela cidade poetisa! <BR class=incorrect name="incorrect" <a>Adilio</A> Belmonte, <BR class=incorrect name="incorrect" <a>Belém-Pará-Brasil</A>
De poetaporkedeusker a 6 de Outubro de 2011 às 02:22
Boa noite... ou bom dia. Hoje estou atrasadita, amigo! Fui ao seu blog mas não encontrei nada publicado...
Abraço grande e muito obrigada!
De Isabel Maia Jácome a 6 de Outubro de 2011 às 19:07
LINNNDO, Maria João. Como o sinto!
... e dizer mais palavras seria fazer ruído.
Obrigada uma vez mais, POETA!!!!!!!!!!!!
Um abraço bem apertado e muito amigo!
Sempre,
Isabel
De poetaporkedeusker a 7 de Outubro de 2011 às 00:53
Boa noite e muito obrigada pelas suas palavras, Isabel!
Venho um tanto ou quanto furiosa com o Facebook. Tanto quanto percebi, alguns murais estão a ser vigiados porque existem demasiadas queixas, alguns comentadores exaltam-se e, uma vez por outra, lá aparecem uns comments menos ortodoxos... mas eu gostaria de saber quem poderá dizer que foi insultado ou maltratado por mim... mesmo quando não estou , de todo em todo, de acordo com aquilo que é publicado, eu esforço-me sempre por utilizar a minha racionalidade nos comentários! Nunca insultei ninguém e limito-me a manifestar publicamente a minha opinião sobre todos os assuntos que me pareçam pertinentes e sobre os quais eu me sinta minimamente informada.
farei os possíveis e os impossíveis para que este tipo de decisões arbitrárias não volte a ser tomado!
Foi a primeira "vítima" da minha indignação, desculpe-me.
Abraço grande!
De poetazarolho a 6 de Outubro de 2011 às 23:15
Caro Pedro

As tuas «VAGAS de DISCURSOS» cá nos vão chegando para consolo nosso. Gostámos.
Diz à «POETISA da LINHA» que lhe estou imensamente grato pelo comentário que lhe mereceu o meu vetusto soneto. Ter a paciência de o ler já era bastante. Gostei muito da interpretação, embora não saiba avaliar da sua justeza, por já ter passado muito tempo e eu ser fraco em introspecção. Mas aquela delícia de dizer que o meu soneto é uma metáfora encantou-me tanto como a de o imaginar a ser cantado em sentida serenata, entre capas ondulantes por apaixonados estudantes na escadas da Sé Velha.
Obrigado Maria João de Sousa. Assim deu vida a um soneto do além. Espero o soneto do seu avô que há-de ser bem mais delicioso do que o meu.
Um abraço de amizade, meu e de minha esposa

Eduardo.
De poetaporkedeusker a 7 de Outubro de 2011 às 01:02
Meu amigo Eduardo,

Receio não ter tido tempo para criar algum distanciamento do local de onde acabo de vir e onde acabo de ser "censurada" à boa maneira do 24 de Abril.
Gostei muito do seu soneto, repito o meu pedido de desculpas sobre a interpretação que ele me suscitou e garanto-lhe que foi um prazer lê-lo.
Mas, neste momento, estou debaixo do efeito do lápis azul que me riscou o mural. Não conseguiria falar de outro assunto e não o quero massacrar com o ressurgimento dos fantasmas da censura... que, pelos vistos, estão bem vivinhos e, tal como outrora, continuam a ser estúpidos e não distinguem um insulto de uma opinião ponderadamente partilhada. Desculpe-me.

Um abraço para si e esposa,

Maria João
De poetazarolho a 6 de Outubro de 2011 às 23:19
Caro Pedro

Fiquei a pensar se a Maria João de Sousa não levará a bem a minha brejeirice de lhe ter chamado «Poetisa da Linha». Espero que não pois não foi meu intuito ofender quem tanta consideração me merece.
Também um dia fui «poeta da linha» há já uns anos num encontro que a Junta de Freguesia de Cascais, ou do Estoril, não me lembro já, promoveu, em homenagem ao grande Almeida Garrett que por aquelas paragens passou muitos dos seus dias. O mote eram os dois primeiros versos de um soneto e eu tratei assim o tema que agora ofereço à Maria João de Sousa com a minha admiração e para que me perdoe o meu desaforo:


Nesta poética solidão donde lhe escrevo,
Debaixo do mesmo tecto em que Garret viveu
Queria eu hoje dizer-lhe, mas nem sei se devo
Que também tenho a ventura de olhar este céu…

E assim se dá a natureza, com enlevo
Aos senhores da fama, a nobre e a plebeu
Repartindo, generosa sem dar o relevo
De pensar, mesquinha, a quem já mais deu

Se o vate era famoso e ágil com a pena
E fez, pressuroso, viagens na minha terra
Eu, aqui prostrado, sorvo a aragem amena

Sem reclamar nem louros e nem louvaminhas
A ver, deleitado, o mar e lá mais longe a serra,
Revejo-me em olhos verdes de mil Joaninhas.

Eduardo
De poetaporkedeusker a 7 de Outubro de 2011 às 01:16
:) O último verso deste belíssimo soneto deixou-me a sorrir, meu amigo Eduardo. Agradeço-lhe muitíssimo ter-mo dedicado e garanto-lhe que também não me importei nada de nada com o facto de ser apodada de "Poeta da Linha"... até achei muita graça e não poderia dizer que o não sou... poucas pessoas serão mais fiéis do que eu sou a este estuário do Tejo e poucos poetas terão crescido a olhar, como eu, a linha dos comboios da CP...
o que a mim me importa - e muitíssimo! - é que uns palermas quaisquer me tenham censurado a escrita do Facebook. Sobretudo porque eu estou seguríssima de nunca ter sido ofensiva para ninguém. Não só me censuraram a escrita como o acesso às páginas de amigos e familiares! Isso, meu amigo, é que eu posso considerar atentatório de muitas coisas que foram duramente conquistadas.

Muito obrigada e não me leve a mal o facto de lhe não responder em soneto... a doçura - quase sempre... - do soneto nada tem a ver com a quase fúria em que me encontro neste momento e que apenas foi aplacada pelo seu soneto e até pelo título que me conferiu :)
De poetazarolho a 6 de Outubro de 2011 às 23:28
“Mundo ignorante”

Dizem que o mundo mudou
Mas o que mudou no mundo?
Acordemos! Um galo cantou
Que sono letárgico e profundo

Ninguém parece querer acordar
É mais fácil tácita concordância
Rabo a abanar e língua a salivar
É mais incomoda a discordância

A ignorância é irmã da felicidade
Vives feliz se o mundo ignorares
Tornaste cúmplice desta alegria

A ganância é a mãe da maldade
Que corrói deste mundo os pilares
E te embala neste sono de letargia.
De poetaporkedeusker a 7 de Outubro de 2011 às 01:25
Já lhe dou a letargia
E mais o diabo a sete
Que nos rouba uma alegria
De escrever, como promete!

É o raio da censura
Ou é o lápis azul!
Só se escreve enquanto dura
A viagem para o sul...

E falam de liberdade,
De justiça e de igualdade...
Até falam da partilha!

Olhe... não fosse tão tarde,
Fazia um tremendo alarde
E deixava de ser ILHA!!!


Ainda bem que o susto não lhe assiste porque, acredite, eu estou capaz de assustar muita gente. Abraço grande, Poeta!
De poetazarolho a 7 de Outubro de 2011 às 20:53
“A gota de água”

O Titanic já se está a afundar
Só há salva-vidas pr’alguns
A orquestra continua a tocar
Indiferente a todos os zunzuns

Lembrei-me agora de repente
Vamos ocupar Wall Street
Não ao capital, sim a nós, gente
Não aos cravos, sim à dinamite

Já viram a beleza da democracia
Que todos os excessos permite
Há que inventar algo novo

Como acontece à autocracia
Já que a democracia não se demite
Também cairá pela força do povo.
De poetaporkedeusker a 7 de Outubro de 2011 às 22:12
Não sei poeta... eu sei lá
Se o Titanic afundou
Ou se, ao contrário, estará
Mais seguro do que eu estou...

Só posso dizer que fui
Muito bem silenciada
E a escrita já não me flui...
Não posso escrever mais nada!

Só me calam por escrever
De um sítio desprotegido
Muito bem localizado

Noutro não me deixam ver
Se uma imagem faz sentido
E até o som me é negado...

Abraço, Poeta! Não está a ser fácil responder-lhe e o Face, daqui, deste específico computador, não me deixa entrar...

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. SEM GARANTIAS

. CONVERSANDO COM ALDA PERE...

. DEUSES SOMOS NÓS!

. NATAIS DOS TEMPOS IDOS...

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. GLOSANDO MARIA DA ENCARNA...

. CONVERSANDO COM O POETA A...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds