.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Quinta-feira, 15 de Setembro de 2011

SONETO PARA SAUDAR A MARÉ ALTA

 

Por quanto tempo eu não escrevi, poema,

Teu negro nome neste azul sem mar?

Por quanto tempo, azul, sem te explicar,

Deixei que repousasse a minha pena?

 

Mas, nesta noite, acesa, a lua acena

Ao poema que em mim quis habitar

E redescubro o vértice lunar

Da velha esfera branca, acesa e plena

 

Há restos dessa luz sobre os meus dedos

Na descrição dos íntimos segredos

Dessa alquimia muda e sem origem

 

Que, sem cuidar de dúvidas, nem medos,

Movendo o imenso mar, esconde os rochedos

No momento insondável da vertigem…

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 15.09.2011 – 21.28h 

 

 

 

IMAGEM RETIRADA DA INTERNET, VIA GOOGLE

 

sinto-me :
publicado por poetaporkedeusker às 21:47
link do post | "poete" também! | favorito
|
33 comentários:
De M.Luísa Adães a 16 de Setembro de 2011 às 00:06
Mª. João

Apaguei o poema "Choremos" ...Esquece e
desculpa!
Faz parte do Livro "Não sei de Ti" de
Maria Luísa Maldonado Adães
Editado e esgotado em Abril de 2000.

Assunto arrumado!

Maria Luísa
De poetaporkedeusker a 16 de Setembro de 2011 às 01:05
Por amor de Deus, amiga, não precisas de fazer isso!!! Deixa estar o poema! Eu consigo passar por ele com alguma objectividade e sem me deixar envolver demasiado... o que não consigo é comentá-lo... não te prives de publicar o que muito bem te aprouver porque eu também não sou nenhuma florzinha de estufa!
Um enorme abraço. Agradeço-te o cuidado e respeito que mostraste ter por aquilo que ainda me magoa muito, mas não quero que te prives seja do que for por minha causa!
De M.Luísa Adães a 16 de Setembro de 2011 às 13:44
Eu também senti antes de te ler que o ia
remover.
Senti de forma estranha!

E me levantei para o fazer...quando te encontrei e não hesitei - removi !
Pressenti qualquer coisa no ar - sou assim!

Mª. luísa

De poetaporkedeusker a 16 de Setembro de 2011 às 14:32
Olá, amiga! Eu também sou assim... não será com todas as coisas, mas também sinto e pressinto muitas coisas... outras vezes, porém, sou um verdadeiro "poço de distracção" e chego a esquecer-me de coisas que andei a planear durante tempos infinitos... ainda me recordo daquela reportagem sobre os gatos que, pura e simplesmente, me esqueci de ver! Cheguei a falar dela com o entusiasmo de quem, gostando de viajar, está prestes a fazer o cruzeiro da sua vida... eu sou assim! Dou esta importância toda a coisinhas que passam despercebidas à maioria... e, no momento M, esqueci-me de ligar a televisão! Enfim... outras virão, com certeza!
Até já!
De M.Luísa Adães a 16 de Setembro de 2011 às 15:52
Eu sou esquecida, por vezes, noutras vezes
fixo tudo e me lembro de tudo.

Mas que importa...

"Somos como somos"...

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 16 de Setembro de 2011 às 16:38
É isso... temos memória selectiva. Todos nós temos um pouco, alguns de nós têm memórias muitíssimo selectivas. Somos como somos, tens razão! Claro que temos alguma obrigação de tentar modificar alguns defeitos que possa, de alguma forma, prejudicar os que nos rodeiam, mas nunca ao ponto de anular a nossa própria identidade. Pelo menos quando não somos nenhuns psicopatas!
Até já!
De M.Luísa Adães a 17 de Setembro de 2011 às 11:33
Hoje se voltar só à tarde.
Os limites têm de ser respeitados!

M.L.
De M.Luísa Adães a 16 de Setembro de 2011 às 00:08
Lindo, mas triste o teu poema!

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 16 de Setembro de 2011 às 00:58
Obrigada por vires até a horas tão tardias, amiga.
Eu não o acho nada triste, sabes? Vai num crescendo até à saudação da maré alta... só a primeira quadra reflecte alguma da nostalgia que senti quando estive vários dias sem criar nenhum.... a partir daí, cresce até ao clímax da maré alta que ciclicamente se irá repetindo... mas o que me parece força e identificação com um estado de espírito semelhante, pode perfeitamente parecer-te tristeza. É assim mesmo com a poesia, amiga!
Abraço grande!
De M.Luísa Adães a 16 de Setembro de 2011 às 13:40
O meu filho não me lê, pois me acha triste
no escrever...mas os poetas são assim...
"Nem tristes, nem felizes
São poetas."

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 16 de Setembro de 2011 às 14:40
É isso... não é muito fácil entender os poetas :)
Uma das minhas filhas já me leu, pelo menos umas duas ou três vezes. Sei-o através de pequenas reacções na minha página do Facebook... das outras nem sei. Nada me dizem e eu não adivinho tudo... talvez me achassem triste... não sei. Mas quem me visse a brincar com a bicharada - ninguém! - depressa mudaria de ideias! Eu e a minha "bicheza" estamos todos velhotes e fisicamente diminuídos, mas somos muito alegres!
Até já!
De M.Luísa Adães a 16 de Setembro de 2011 às 15:55
Que importam as opiniões deste, daquele e do outro? Nada!

Sou triste por vezes
alegre noutras vezes
mas isso,
só a mim importa!

E nada tenho a explicar!

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 16 de Setembro de 2011 às 16:43
Claro que não! Toda esta conversa é absolutamente voluntária! Falamos de nós mesmas porque assim o entendemos ou porque assim nos apeteceu num determinado momento... desde que não estejamos a agredir ninguém, quem nos pode impedir e por que razão deveria fazê-lo?
Aliás, eu entendo que a própria poesia é também uma forma artística de comunicação.
Abraço grande, amiga!
De M.Luísa Adães a 17 de Setembro de 2011 às 11:36
Dizes bem! "A poesia é uma forma artistica
de comunicar".

M.L.
De poetaporkedeusker a 17 de Setembro de 2011 às 14:55
É mesmo! Vou agora visitar-te mas também não me posso demorar muito porque tenho imenso que fazer com a minha "bicheza".
Até já!
De poetazarolho a 16 de Setembro de 2011 às 01:04
“O polvo vencerá”

Povo que lavas no rio
Polvo que habitas o mar
Andamos num desvario
Se teimas em nos asfixiar

Pode haver quem te defenda
Numa relação tentacular
A nossa vida é tremenda
Ó polvo vai-te afogar

Então o polvo afogou-se
Povo pôde de novo respirar
O pesadelo foi transformado

Não o povo equivocou-se
Só se deu conta ao acordar
E pelo polvo foi asfixiado.
De poetaporkedeusker a 16 de Setembro de 2011 às 01:37
Poeta, eu gosto muito, tenho uma enorme simpatia por esses gastrópodes elegantes e dançarinos que são os polvos marinhos no seu habitat natural. O que ele pode evocar, sou incapaz de comentar. É uma questão de preservação da harmonia psicológica que vou conseguindo manter à custa de uma força que não posso arriscar-me a perder se me puser a falar de temas que me magoam e me perturbam profundamente. Não me leve a mal. Mesmo que não estivesse a dormir em pé, não responderia a este sonetilho. Desculpe-me.
Abraço grande!
De Peter a 16 de Setembro de 2011 às 23:20
Olá poetisa, como vai isso???
Bonito soneto.
Bom fim de semana.
Bacio.
De poetaporkedeusker a 16 de Setembro de 2011 às 23:27
:D Olá, Peter! Caramba! Nunca mais o visitei... vou agora mesmo!
Bacini!
De poetazarolho a 16 de Setembro de 2011 às 23:47
“The big banana”

A Madeira é um jardim
Fica no centro do mundo
Deste mundo agora imundo
Primeira página de pasquim

Em Nova Iorque foi notícia
Plo enorme buraco financeiro
Na grande maçã do dinheiro
É já um em caso de polícia

Mas a maçã está bichada
Tem Wall Street a afundar
A Madeira promete ajudar

Enviando bananas prá salada
Mundo da finança irá apreciar
Esforço da banana pra nos salvar.
De poetaporkedeusker a 17 de Setembro de 2011 às 00:01
:)

Tem caruncho, esta Madeira,
Mas não caruncho do povo
Porque esse vive a canseira
De erguê-la toda, de novo

Tendo ainda de pagar
Pelo trabalho que tem...
E ainda há gente a pensar
Que esse povo é que está bem...

Caciquismo e vida "airada"
Vêm sempre "lá de cima"
E o povo não ganha nada!

Se o sonetilho não rima,
Fico toda "abananada"
Com esta matéria-prima... :/


Abraço grande, Poeta! :) Já estou cheia de sono mas ainda deu para este... e ainda vou pô-lo no Poeta Zarolho! :)
De poetazarolho a 17 de Setembro de 2011 às 21:46
Caro Pedro

Como curiosidade envia a poesia que segue, à insigne sonetista Maria João de Sousa. As décimas e é natural que tu e ela saibam, são, no meu entender, uma arte pastoril que como a música da flauta e certo artesanato de cortiça, andam ligados ao apascentar dos rebanhos, nas planuras do nosso Alentejo. Eu ouvi-as, horas a fio ao Ananias Grosso, de Rio de Moinhos e ao José Mestre, do Torrão do Alentejo, quando por lá andava, em 1974, em lides de convívio e de aprendizado político - o aluno era eu. Com eles, além de muitas outras coisas aprendi a fazer décimas. Eu escrevia-as, eles não o sabiam fazer, mas guardavam-nas, quantas queriam, nos escaninhos da memória. A rima, pelo menos por aqui, é sempre a mesma, em todas as estrofes (A,BB,AA,CC,DD,C). O último verso de cada uma das quatro décimas, é o mesmo de cada um, da quadra que serve de mote. O léxico dos poetas populares da nossa região não é, como se compreende, tão burilado como o de outros que os imitam, mas nem por isso as ideias e o conteúdo deixa de ser, quase sempre, muito mais rico.
Estas décimas, enviei-as à Maria Vitória Afonso, a amiga da mãe, dos tempos de adolescência e agora, ela e o marido, nossos amigos. O Amadeu, descobrimos há poco tempo, é meu conterrâneo - do mesmo Concelho e de uma aldeia vizinha da minha, da Cerdeira que tu, tão bem, conheces.
A Maria João de Sousa, conhece a Maria Vitória Afonso, pelo menos, das lides de poetar.

DÉCIMAS PARA a VITÒRIA AFONSO.

Mote
Em tertúlias de glória
Passa os dias da semana
Dantes era a Vitória,
Agora, a Tertuliana


Carregada de poesias,
Cruz de Pau é onde mora,
No concelho de Amora,
Em delírio e fantasias,
Sonetos e alegorias,
Também prosas e História
Que conserva na memória
Desde os tempos de menina…
Vai cumprindo sua sina
Em tertúlias de glória.

Veio da vasta planura
De Colos, no Alentejo Para cumprir o desejo
De espalhar a cultura.
É isso que ela procura
E de seu fervor dimana
E a torna muito ufana,
Pois tendo sido Professora
A versejar, agora
Passa os dias da semana

Colabora em jornais
A conceder entrevistas
Em diários e revistas
Nas colunas sociais
E em temas culturais!
Os neurónios da memória
Fervilham sem cerimónia,
Naquele cérebro dotado…
E para cumprir seu fado,
Dantes era a Vitória.
Quem sabe é o Amadeu
Aquele ilustre beirão
Eleito do seu coração
Que ela há muito conheceu
E com quem sempre viveu.
Beirão e Alentejana
Dá uma boa tisana
E uma saudável mistura
Embora não tenha cura,
Agora, a Tertuliana.


EDUARDO
De poetaporkedeusker a 17 de Setembro de 2011 às 23:34
Meu caro amigo, eu sou aquele tipo de pessoa que admira muitíssimo todos aqueles que conseguem fazer as maravilhas que nunca aprendeu a fazer! É o caso das décimas... são lindíssimas, já fez o favor de me enviar a chave da métrica, mas eu não me sinto minimamente capaz de lhe responder... quase, quase, invejo a sua infância. Costumo pensar- e sentir - que tive imensa sorte com a minha mas este tipo de poesia não chegou até mim quando era menina... hoje estou com febre. Poderia dizer-lhe que talvez amanhã ou depois, se estiver melhor... mas a verdade é que eu vivi até aos cinquenta e tal anos a acreditar que o soneto era demasiado "laboratorial" para mim e que se destinava a génios, grupo ao qual eu nunca pertenci. Quando me apaixonei por sonetos, tive de me esforçar muitíssimo, claro, em termos de trabalho... mas a métrica começou a fluir livremente, não foi forçada de forma nenhuma. Poderiam passar-se outros cinquenta e tal até eu sentir o mesmo em relação às décimas. Mas, em termos de poesia, não gosto de dizer que "desta água não beberei". Disse-o muitas vezes em relação ao soneto em decassílabo heróico e, de repente, escrevi perto de mil em quatro anos!
Já em relação às outras formas do soneto clássico me sinto frustradíssima porque as poucas tentativas foram catastróficas e o ritmo não parece ter conseguido entrar nas coisas que eu faço com toda a naturalidade...
Fico-lhe muitíssimo grata por me ter enviado estas décimas lindíssimas, melodiosas e temperadas com um leve aroma do humor característico dos bons tertulianos.
Um enorme abraço para si, sua esposa e, aproveitando, para a Maria Vitória Afonso que lhas inspirou.

Maria João
De artesaoocioso a 17 de Setembro de 2011 às 21:49
Belo regresso.
Abraço
De poetaporkedeusker a 17 de Setembro de 2011 às 23:09
Obrigada, amigo Artesão, mas desconfio bem que vai ser um regresso de pouca dura... hoje apanhei imenso frio e, num instantinho, fiquei com uma gripalhada daquelas... já estou com febre. Só espero que não seja daquelas que me tiram a inspiração.
Abraço grande!
De artesaoocioso a 2 de Outubro de 2011 às 22:35
Cara amiga,
Espero que já esteja melhor.
Só hoje consigo responder-lhe. A coluna continua a não dar tréguas e a minha sogra faleceu ontem.
A vida está complicada e a normalidade levará algum tempo a regressar.
Abraço
De poetaporkedeusker a 2 de Outubro de 2011 às 22:44
O meu sentido abraço, amigo Artesão. Fico sempre sem palavras nestas situações de perda de entes queridos. Desculpe-me o laconismo e a falta de visitas à sua oficina. Irei até lá agora mesmo.
De poetazarolho a 17 de Setembro de 2011 às 22:31
“Archotes”

Óh meus caros senhores
Eu não admito confusões
Na Madeira há aldrabões
Mas não aqui nos Açores

Na Madeira existe o buraco
Nós aqui só temos o Pico
O que avisto é magnífico
Vejo o mundo num caco

Sob o garrote d’austeridade
O povo com archotes na mão
Para o caminho iluminar

Subiu tanto a electricidade
Que esta era a única solução
Pr’a idade das trevas afastar.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 17 de Setembro de 2011 às 22:46
Não com archotes, mas velas,
Cá, em pleno continente,
Para iluminar com elas
Tudo, após o sol poente

Mas o gasto há-de fazer-se
Em jornais e em cartão
Que a gente tem de aquecer-se
E está-se a acabar o Verão...

Tu falas de austeridade
Mas eu falo de miséria
E sei bem do que é que falo

E, à noite, pela cidade,
Quando a coisa ficar séria,
Verás porque me não calo!

Abraço amigo, Poeta!
De poetazarolho a 17 de Setembro de 2011 às 22:38
“Inspiração”

Eu ando sempre à procura
Mas inspiração é que manda
Às vezes é demasiado dura
Não quero mas ela abranda

Outras vezes estou a dormir
Dou um pulo sobressaltado
Olho e vejo a inspiração a rir
Corro e deixo tudo registado

Já umas vezes me aconteceu
Ir numa corrida desenfreada
A inspiração surgir de repente

Às vezes penso que morreu
A seguir aparece-me do nada
Viver sem ela é deprimente.
De poetaporkedeusker a 17 de Setembro de 2011 às 23:00
:))

É exactamente assim
Mas muitos irão pensar
Que só vos falo de mim
Por não ter do que falar...

Até a dormir escrevemos
E, com fome... nem se fala
Que a fome que às vezes temos
Muitas vezes não se cala,

Transforma-se em redondilha
Com tanta facilidade
Que faz, da fome, a partilha

Da própria saciedade
E, partilhada, perfilha
A voz da própria vontade...

Abraço e uma boa noite, Poeta! :)
De Isabel Maia Jácome a 18 de Setembro de 2011 às 23:41
gostei particularmente deste poema Maria João... gostei da melodia do sentido... gostei de me sentir transportada a um lugar mágico, onde a palavra se rodeia da possibilidade da magia que tanto nos faz falta... para tanto... e para nos questionarmos também, memso sobre o que possa parecer tolo para muitos.
Um grande abraço e obrigada
Isabel
De poetaporkedeusker a 19 de Setembro de 2011 às 00:55
:) Obrigada, Isabel!
Espero que esteja tudo a correr pelo melhor. Eu estou particularmente sonolenta hoje... sei que tenho dois comentários em sonetilho a que deveria responder... não sei se vou conseguir... também estou um pouco febril porque este frio nocturno me apanhou, ontem, de surpresa e me deixou engripada. Provavelmente deixarei as respostas rimadas para amanhã...
Um enorme abraço!

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. INFORMAÇÃO A TODOS OS AMI...

. SONETO A PRETO E BRANCO

. GLOSANDO A POETISA MARIA...

. O VIGÉSIMO SEXTO DIA

. SÁBADO, DOMINGO, SEGUNDA ...

. MEMÓRIA(S) DO NÁUFRAGO-PE...

. RUAS

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds