.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Domingo, 14 de Agosto de 2011

FLORES-POETAS ou AS ETERNAS ANALOGIAS - Sonetilho

 

Silêncio. Lá fora, as flores

Dos canteiros do jardim,

Não qu`rendo saber de mim,

São, contudo, os meus amores...

 

Corolas de muitas cores

E formatos sem ter fim,

Parecem lembrar, assim,

Que há mais sorrisos que dores

 

Silêncio! Uma flor morreu,

Mas mil milhões desabrocham

No segundo que se segue

 

Àquele em que a mão escreveu

Sobre o que elas revelaram…

Flores-poetas? Nunca o negue!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 14.08.2011 – 21.48h

sinto-me :
publicado por poetaporkedeusker às 22:01
link do post | "poete" também! | favorito
|
28 comentários:
De linhaseletras a 14 de Agosto de 2011 às 22:57
É verdade ,as flores inspiram-nos bastante, nasceram-me alguns sonetos sentada á minha porta a olhar para as minhas flores, parece que "elas" nos estão a pedir para escrevermos sobre elas, para lhe darmos a voz que elas não têm. Aqui a minha amiga fez isso muito bem e com muito sentimento.
Muito bonito.
Bom serão.
De poetaporkedeusker a 14 de Agosto de 2011 às 23:16
Ora ainda bem que não sou só eu que "sinto" assim! :)
Aquele sonetilho nasceu-me por causa das flores e, por isso, acho que só me fica bem dar-lhes a co-autoria :))
Um enorme abraço, minha amiga Idalina!
De Zilda Cardoso a 15 de Agosto de 2011 às 08:45
Olá, M. João
"Há mais sorrisos que dores"... gostei.
Uma pergunta à Poeta: há flores feias?
ZC
De poetaporkedeusker a 15 de Agosto de 2011 às 14:37
:) Olá, Zilda!

Já fiz essa pergunta a mim mesma e acredite que me respondi que não. Há flores secas e murchas, estragadas, envelhecidas e doentes, mas nunca vi uma única flor feia! Podem ser, segundo cada um, mais ou menos belas, mais ou menos apelativas... mas não, não há flores feias. :)
Muito obrigada pela sua visita a estas minhas flores-poetas... e lembrei-me, agora mesmo, que eu continuo a transformar coisas em poetas! Lembra-se dos Espantalhos-Poetas? Parece que continuo a querer arranjar co-autorias em todas as coisas vivas e não-vivas :))
Este sonetilho foi feito para uns amigos que me ofereceram a orquídea que aparece na fotografia e eu ainda nem sequer pude ir mostrá-lo! Não faço ideia se eles têm este endereço, mas penso que não.
Um abraço grande e um bom feriado! :)
De poetazarolho a 15 de Agosto de 2011 às 13:08
EMANCIPADA

Desde que se emancipou,
A minha prima Armanda,
Cheira a suor que tresanda
Pois nunca mais se lavou.
O hálito é de cigarros
Com mistura de cachaça
Sempre a emborcar vinhaça,
O que mais fuma são charros.

Tornou-se uma gaja tesa
Quando deixou de usar saias
E se alguém lhe dá vaias,
Prega três murros na mesa.
Não liga peva aos putos
E o marido, o desgraçado,
Ou anda muito alinhado,
Ou, então, leva dois chutos.

No carro é sempre a abrir
Que o veículo é de corrida…
Aí vai ela na brida
De manhã, p´ra ir dormir.
Nunca mais parou em casa
Mas já não atrai olhares
Agora mora nos bares,
Sempre com um grão na asa.

E era tão afinada,
A minha prima Armanda…
Agora, é ela quem manda
Desde que é emancipada!
Ao ver no que ela anda
Fico, às vezes, cismando:
Quando é que o primo Armando,
Voltará a ser Armanda?
EDUARDO
De poetaporkedeusker a 15 de Agosto de 2011 às 14:23
:))

Que delícia de poema satírico, Eduardo! Muito obrigada por mo enviar! Penso que não tenho nenhum desse tipo feito por mim, para lhe enviar de volta... tenho um ou outro mais brincalhão mas já nem sei há quantos anos os fiz, nem que títulos lhes dei. Penso que já não conseguiria encontrá-los por muito que tentasse...
Estou cá a pensar com os meus botões que este poema merecia ter maior visibilidade do que a que tem na minha caixinha de comentários... eu tenho um blog que raramente é actualizado e onde coloco "prémios" - imagens e selos - que os amigos me vão oferecendo... nem sei se o Pedro o conhece, ou não... é o http://premiosemedalhas.blogs.sapo.pt/
O seu poema é tão divertido que me parece que ficaria bem por lá. Mas não publico nada enquanto o Pedro me não confirmar a sua autorização.
Espero que esteja bem de saúde e que aproveite bem mais este feriado que veio prolongar o fim de semana.
Um enorme abraço!

Maria João
De poetazarolho a 15 de Agosto de 2011 às 21:42
Fiquei surpreso com o comentário da Amiga Maria João de Sousa, acerca da minha sátira.
Penso que, além de talentosa, ela é magnânima para com os que olha lá de cima. De qualquer modo, este velhote, fica feliz. É claro que dou todo o meu assentimento à sua honrosa pretensão. Fico, depois, à espera que me ensines como encontrar, por aí as minhas larachas, pois sabes que eu não me dou muito bem com estas ferramentas. Não se ajustam à minha vetustez.
Beijos do pai e da Mãe.
Eduardo.
De poetaporkedeusker a 15 de Agosto de 2011 às 22:03
Amigo Eduardo, o seu poema satírico está engraçadíssimo. Não sou eu que sou magnânima, de maneira nenhuma! Pelo contrário... tendo a ser cada vez mais exigente no que diz respeito à poesia e à literatura, em geral.
Mantenho a minha intenção de o publicar, com a sua autorização e, como não poderia deixar de ser, em seu nome. A poesia satírica não é menos difícil do que a outra e esta merece uma publicação!

Abraço grande,

Maria João
De poetazarolho a 15 de Agosto de 2011 às 21:46
Vou remeter-te um poema que talhei esta manhã, para enviar a uma colega, alentejana, de Colos, amiga da Mãe e que nos enviou um poema ao pão caseiro. Ela também gosta muito de poetar e também o faz com mestria. Se entenderes envia à Amiga Maria João de Sousa, já que ela tem paciência para ler as minhas poetices.



ODE AO PÃO

(Que me perdoe o amado NERUDA)


Eu gosto mais desse pão,
Pão nosso, quotidiano
Pão partido, ou pão inteiro
Esse é o pão verdadeiro
Fermento do coração
Pão bojudo, pão caseiro
Do Povo Alentejano.
Pão da semente enterrada
No ventre do Alentejo
E com o suor regada
Até florir em espigas
Desabrochar em desejo
Desse pão já transformado
Em açorda e em migas:
Pão, azeite, sal e alho
Que o Povo da planura
Come antes do trabalho
De mover a terra dura…
Esforçado mas contente,
Altivo muito feliz,
Cantando em voz dolente,
Sob o céu, ígnea fogueira,
Uma toada que diz
Que é de amor a sementeira

Eduardo
De poetaporkedeusker a 15 de Agosto de 2011 às 21:56
Muito grata pela sua Ode ao Pão, amigo Eduardo! Tenho tanta paciência para ler as suas "poetices" como o amigo tem para ler as minhas :) E gostei muitíssimo!
Depois verei se me autoriza a publicar no blog onde guardo as prendas dos amigos.
Um enorme abraço para si de uma poeta do estuário do Tejo que, neste momento, anda demasiado cansada para conseguir ter inspiração,

Maria João
De poetazarolho a 15 de Agosto de 2011 às 21:59
“Sócrates evolution®”

Olhos do mundo em Portugal
No Pontal mais propriamente
A ver se não nos portamos mal
Eu digo que não seguramente

Estamos a construir a história
Na política já não há crispação
É o nosso caminho pr’á glória
O verdadeiro destino da nação

Sacrifícios suaves não existem
Resultados rápidos também não
Venha a contribuição colossal

Que eu sei vocês não desistem
Do subsídio de Natal abrem mão
Na energia sobe a factura mensal.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 15 de Agosto de 2011 às 22:10
Que pena eu estar tão cansada e desinspirada! Este poema está mesmo a pedir resposta! Mesmo, mesmo... mas agora não conseguiria... mas pode ser que ainda venha qualquer coisa, hoje ou amanhã...

Abraço grande, Poeta! :)
De poetazarolho a 15 de Agosto de 2011 às 23:42
“Pleno vazio”

A morte sempre encontrarás
Mesmo tendo imensa sorte
Aqui deste lado não ficarás
Contas ajustarás com a morte

Se lutas por o mundo mudar
Se sentes o dever cumprido
Quando a morte te vier buscar
Verás o caminho teve sentido

Teve o sentido da vida plena
E de uma procura incessante
Em concluir a obra inacabada

Se assim não foi é uma pena
Terá sido o caminho errante
Da vida pl’a morte esvaziada.
De poetaporkedeusker a 16 de Agosto de 2011 às 00:13
Eu sei bem que ela virá
E até já a conheci;
Perto dela estive já
Nesse dia em que "morri"

Por isso faz mais sentido
Do para os outros faça
Se digo já ter "morrido"
Na vida que aqui me passa

Mas quem tiver vocação
Não duvida um só momento
De estar no caminho certo

Só os que "nem sim, nem não..."
Passam por esse tormento
Quando a morte estiver perto


Este ainda me saiu, Poeta! Não sei como porque já estou ensonada, mas saiu...
Abraço grande. Vou ver se o consigo levar até ao seu blog!
De poetazarolho a 16 de Agosto de 2011 às 00:21
Gostei!
De poetaporkedeusker a 16 de Agosto de 2011 às 00:26
:) Obrigada, Poeta! Ainda não o consegui "transplantar" mas vai já!
De poetazarolho a 16 de Agosto de 2011 às 22:09
“Resposta ao Arnaut”

A aritmética e a ética
Não são conciliáveis
Nem na obra poética
Poetas são descartáveis

A universalidade também
Gratuitidade não tem razão
A tendência como convém
Molda-se pela nossa não

Vamos lá então moldar
Esta sociedade moderna
Quem quiser que adoeça

Não se escapa é a pagar
Vai ter o ministro à perna
E é bom que não se esqueça.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 17 de Agosto de 2011 às 16:18
A poeta que aqui está
É pobrezinha demais...
Pr`a pagamentos não dá
Nem pr`a pagar aos pardais...

Doente já eu vou estando
E mais não posso fazer
Do que ir aqui poetando
Pr`a pagar o que puder...

Se mais não puder fazer,
Isto vai ter que chegar
Ou então... levem-me presa...

Assim já fico a saber
Se posso, ou não, poetar...
Mas eu tentei... de certeza! :)


Ai, que sonetilho tão maluquito!!!
Abraço grande, Poeta! :)

De poetazarolho a 17 de Agosto de 2011 às 23:04
Tá bem fixe.
De poetaporkedeusker a 18 de Agosto de 2011 às 01:04
Já nem sei qual deles lhe mereceu o adjectivo, Poeta Foi o da postagem ou o da resposta'? De qualquer forma, muito obrigada!
Caramba! Tão tarde! espero que já esteja a dormir! Abraço!
De poetazarolho a 18 de Agosto de 2011 às 01:29
Fixe é o da resposta, o da postagem é sublime, flores-poetas é superior a tudo...
De poetaporkedeusker a 18 de Agosto de 2011 às 15:45
Caramba, Poeta! Estava a deixar-lhe, nesta mesma janelinha, uma conversa daquelas que nunca mais acabam e que até já ia numa pequena discordância verbal que eu encontrei algures neste poema, quando o 2008... pufff!!! Ficou completamente pretinho e sem dar sinais de vida... sou uma mulher calma - é o que me vale ;) - e vim até ao CJ convicta de que, de alguma forma, o pobre computador virá a "acordar", bem ao jeito da Belle au Bois Dormant, nem que eu tenha de lhe dar um beijinho na bateria! :))
Mas ia-me esquecendo de lhe agradecer! Eu gosto desse adjectivo. Talvez seja porque já não se ouve muito... gosto! Obrigada e um abraço grande! :)
De poetazarolho a 16 de Agosto de 2011 às 22:18
“Eternidade”

Eternidade é a encruzilhada
Do passado, presente e futuro
Com escala do tempo parada
Onde a cada instante perduro

Se a escala do tempo parou
Cada eternidade é um instante
Pois se o tempo se eternizou
Eternidade não é determinante

E passa o instante a dominar
Pois encerra em si a eternidade
Em que o tempo já não conta

Neste instante podes repousar
Com toda a paz e tranquilidade
Onde já ninguém te confronta.
De poetaporkedeusker a 17 de Agosto de 2011 às 15:54
Sai, de "arrasto", um sonetilho
Do fundo do coração!
Cada poema é um filho
Que, às vezes, nos diz que não...

Este nasceu cá de dentro,
Não demorou um segundo
Para se lançar ao vento
Que o leva por todo o mundo...

Sonetilho, aonde vais
Que tens um destino certo
Para a mensagem que levas?

Tão longe de mim, teu cais,
Hás-de voltar pr`a mais perto...
Mas, esse recado... entregas!


Abraço grande. Muito GRANDE! :)
De poetazarolho a 16 de Agosto de 2011 às 22:51
NADA É IMPOSSÍVEL, ALGUMAS COISAS SÃO APENAS MAIS DIFÍCEIS...

The Flight of the Bumble-Bee (O Vôo do Moscardo) é um interlúdio
musical famosíssimo, composto pelo conde e compositor russo
Nicolai Rimsky - Korsakov para sua ópera O Tzar Saltan, entre 1899 e1900.
É um verdadeiro "tour de force" musical inicialmente escrito para um
solo de violino.
Algum tempo depois o próprio Korsakov reescreveu a peça para o piano.
Contudo, é tecnicamente tão difícil que o famoso pianista Vladimir von
Pachmann (1848/1933) ao ler a partitura julgou-a
"impossível de ser tocada".
Anos depois Serguei Prokofiev (1891/1953) aceitou o desafio e abriu a
porta para que pouquíssimos colegas realizassem essa proeza...
A jovem pianista chinesa, considerada atualmente uma das 5 melhores do
mundo, dá um show de virtuosismo.

http://www.youtube.com/watch?v=sTvBn2EO2y8
De poetaporkedeusker a 17 de Agosto de 2011 às 15:17
Lembro-me bem do Vôo do Moscardo! Obrigada, Poeta! Mas agora estou a lembrar-me que não o vou conseguir ouvir... talvez consiga ver... alguns vídeos conseguem-se ver e outros não...
Muito obrigada, mais uma vez! :D
Abraço grande, grande!
De natikerfilo a 22 de Agosto de 2011 às 18:12
sim teste
De poetaporkedeusker a 22 de Agosto de 2011 às 18:31
Testo o quê? Nati!!! És tu!!! :))
Abraço, linda!

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. SE EU PUDESSE, NÃO PODIA

. A SEREIAZINHA

. CALEIDOSCÓPIO

. DEPOIS DA MARÉ-CHEIA...

. UM MOSQUITO NO COPO DO LE...

. UM MOSQUITO NO COPO DO LE...

. RUGA A RUGA

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds