.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Sexta-feira, 29 de Julho de 2011

MEMÓRIAS DE UMA FLOR À BEIRA MAR

 

Floriram meus amores em plaga incerta

Quando um botão de cravo, a despontar,

Irrompeu pelas dunas de luar

Do dealbar da minha descoberta

 

Eu debruçada, eu já janela aberta

Sobre aquilo que estava por chegar,

Relembro, dessa praia, o mesmo mar

Que me induzira em tão premente alerta

 

Pois, no desabrochar de cada flor,

Há um tempo de riso e outro de dor,

Um para receber, outro pr`a  dar;

 

Um tempo só de pétalas e cor

E outro de recordar um louco amor

A que nem mesmo as flores sabem escapar…

 

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 29.07.2011 – 16.24h

 

 

 

sinto-me :
publicado por poetaporkedeusker às 16:40
link do post | "poete" também! | favorito
|
36 comentários:
De poetazarolho a 29 de Julho de 2011 às 21:59
Gosto dessas flores merecem muitos mimos.
=)

“Mimos ao poder”

Cultura não é ministério
E nem nunca poderia ser
Cultura é um assunto sério
Não entra em jogos de poder

Ministério é o da agricultura
Aí sim já podemos concordar
Que para uma boa legislatura
Muitos nabos há que plantar

Se a cultura chegasse ao cimo
Seria outra a forma de governar
Agricultura seria despromovida

Pr’a ministro teríamos um mimo
Um dia havemos de lá chegar
Já os nabos far-se-iam à vida.
De poetaporkedeusker a 29 de Julho de 2011 às 22:56
:))) Gostei, Poeta!

Se os nabos se retirarem,
Ficaremos desfalcados,
Mas, se as coisas não mudarem,
Sentir-nos-emos culpados!

Não vai ser fácil pegar
No leme deste momento
Mas sabemos que o tentar
Nos trará merecimento

Ainda não percebi
Se devo, ou não, disfarçar
As coisas que aqui lhe digo

Mas, decerto, não menti
E pude desabafar
Com o meu poeta amigo!

Abraço grande!
De linhaseletras a 30 de Julho de 2011 às 00:02
Sempre belos os seus sonetos, um abraço e bom fim de semana.
De poetaporkedeusker a 30 de Julho de 2011 às 00:18
Um abraço grande e um excelente fim de semana, amiga! Muito obrigada! :)
De Peter a 30 de Julho de 2011 às 01:04
Olá poetisa. Muita inspiração e o melhor para o fim de semana. Bacio.
De poetaporkedeusker a 30 de Julho de 2011 às 02:14
:) Olá1 Afinal nasceu-me esta florzita de beira-mar :)) mas vou precisar de inspiração para as pinturas durante o fim de semana... e essa ainda não me renasceu até esta hora...
Bacini!
De Isabel Maia Jácome a 30 de Julho de 2011 às 11:32
Lindo o poema. A força e a exaltação... simultâneas a uma serenidade estranha apenas a quem se enclausura no que sente.
É tão bom ler os seus poemas!
Saudades, Maria João!...
Isabel
De poetaporkedeusker a 30 de Julho de 2011 às 16:24
:) Olá, Isabel! É bem verdade que preciso dos meus momentos de interiorização, às vezes bem longos. Não os tenho conseguido tanto quanto há uns tempos e a produção poética diminiu... mas nós todos somos, também, fruto do que se vai passando em tudo o que nos rodeia e, neste momento, o meu Kico, o Beethoven e o Facebook estão a "pedir-me" muito tempo :)
Muito obrigada pelas suas palavras e um grande abraço! :)
De poetazarolho a 30 de Julho de 2011 às 14:33
“Condenados”

Não ouvimos ninguém gritar
Não vemos ninguém respeitar
Não ouvimos ninguém cantar
Não vemos ninguém dançar

Não sentimos ninguém a abraçar
Não sentimos perfume de ninguém
Não sentimos ninguém a beijar
Mortos ou vivos, estaremos bem?

Condenar à morte não é opção
Não actuamos em Seu nome
Mas teremos sido condenados?

Condenar à vida também não
Os que deixamos morrer à fome
Não poderiam ter sido ajudados?
De poetaporkedeusker a 30 de Julho de 2011 às 16:34
Poderiam sim, Poeta! E respondi logo, logo, à ultima pergunta que formulou... poderiam se... a maioria poderia nem sequer precisar tão dramaticamente dessa ajuda, se... a desigualdade tem sido uma constante do ser humano ao longo de toda a História mas eu penso que vou morrer a acreditar que estamos a crescer - nós, humanidade - e que as coisas virão a mudar.
Neste momento não lhe respondo em "desgarrada"... vou publicar no http://asmontanhasqueosratosvaoparindo.blogs.sapo.pt/ um poema que me nasceu há bocadinho, em redondilha maior. Poderia publicá-lo aqui mas já abri várias excepções e, lá em cima, no cabeçalho, diz que este é um blog sobre soneto clássico... e depois criei o Montanhas exactamente para estes poemas em rima popular!
Até já, meu amigo!
De poetazarolho a 30 de Julho de 2011 às 17:54
Eu conheço bem de quem fala, são "Gente daqui, Gente de mim", eu vivi e vivo no meio deles e eles no meio de mim, somos uma e uma só realidade e há uns anos escrevi isto,

Gente daqui, Gente de mim

Gente de coração
com emoção negada,
Gente com estória
por muitos ignorada,
Gente de luta
sem conquista atribuída,
Gente de trabalho
sem obra reconhecida,
Gente que um dia
de sua Terra partiu,
Gente que numa madrugada
do silêncio emergiu,
Gente que faz pão
de seara moída,
Gente de sabedoria
de uma vida vivida,
Gente que no fado
tem seu destino traçado,
Gente cujo discurso
é seu corpo suado,
Gente daqui, Gente de mim
Gente de todo o lado.
De poetaporkedeusker a 30 de Julho de 2011 às 21:04
Gente que sua e não dorme,
gente que sente e que espera,
gente que, às vezes, não come
e suspira; "Quem me dera!"

Gente com tantos talentos
que ninguém aproveitou!
Gente que mede os intentos
num pão que nunca sobrou...

Gente, gente... tanta gente
sem a esperança de um devir,
sem a certeza de nada...

Ninguém os nega ou desmente
mas poucos sabem ouvir
a voz da gente calada...

Poeta, deixo-lhe um abraço muito grande e agradeço o lindo poema que aqui me deixou. Agora sou eu que digo que o seu está "dez vezes mais bonito do que o meu"!
De poetazarolho a 31 de Julho de 2011 às 03:20
Não diria tanto, gostei particularmente da voz da gente calada.
De poetaporkedeusker a 31 de Julho de 2011 às 15:27
Obrigada, poeta. Mas olhe que é mesmo assim... há muita gente assustada que nem sequer entende bem o que se está a passar e se vai calando. Eu sei que estou sempre por aqui, mas vou-me apercebendo.
Abraço!
De eva a 30 de Julho de 2011 às 14:42
Querida Poeta, vim desejar-lhe um bom tempo de férias e pedir-lhe desculpa pela ausência mas, como talvez já se tenha apercebido, tive de cortar tudo o que não fosse acabar a tempo e horas os meus compromissos para Julho. Só fui inserindo os textos nos Escritos e nos Caminhos e nem respondi aos comentários, facto de que também lhe peço desculpa.
Em Agosto vou recuperar e pôr em dia a leitura dos seus poemas de que já tanto sinto a falta.
Abraço GRD
De poetaporkedeusker a 30 de Julho de 2011 às 16:42
Eva, eu é que devo pedir-lhe desculpas! A si e à maioria dos bloggers que me visitam... estou numa fase em que sinto que devo ligar-me um pouco mais ao mundo civilizacional que me rodeia e acerca do qual me sinto, por vezes, muito ignorante. Assim que tomei essa decisão, dois dos meus companheiros de quatro patas pioraram das "maleitas" que já tinham e que são fruto da avançada idade... enfim, nada é tão fácil como pode parecer e eu vou-me "esticando" o que posso...
Desejo-lhe umas férias muito, muito gratificantes! também eu vou tentar por em dia a leitura dos Escritos e do Caminhos que têm sido visitados só de vez em quando e a correr...
Enorme abraço e muito obrigada! :)
De poetazarolho a 31 de Julho de 2011 às 12:08
“Vida eterna”

Pr’á vida não ter fronteiras
Deves procurar a tua sorte
Pois mesmo que não queiras
Tens a fronteira da morte

Faz da vida a vida eterna
Qu’a morte não te encontrará
Se viveres de forma tão plena
Sopro de vida te embalará

Em morte embalado pl’a vida
Nunca mais serás esquecido
Linha de fronteira desvanecerá

Pois com a alma assim repartida
Mesmo depois de teres morrido
Sempre alguém te lembrará.
De poetaporkedeusker a 31 de Julho de 2011 às 15:05
Todo aquele que for poeta
- um poeta "visceral" -
Sabe bem que a sua meta
Está sempre além do final

E, quando a morte vier,
- e ele bem sabe que virá -
Leva dele o que puder;
Poemas... não levará!

Quando um poema lhe surge
Sabe ele bem que mais raizes
O prendem ao que há-de vir...

Quanto mais o tempo lhe urge,
Mais as suas mãos, felizes,
Se esforçam por não partir...


Olá, meu amigo Poeta! Muito obrigada por mais este poema tão cheio da esperança com que eu, habitualmente, encaro o futuro. Talvez não o meu próprio futuro, mas aquele que virá depois de mim e que, de alguma forma, acredito que virá a ser melhor para todas as espécies :)
Enorme abraço para todos vós!


De poetazarolho a 1 de Agosto de 2011 às 17:02
ELAS e o ESCRITOR

À deriva nos esconsos do meu ser
por lá se ocultam, sem eu dar por elas.
De repente, atrevidas, sem eu querer
povoam meu firmamento de estrelas.

Chamo-as, outras vezes, para as poder ver
elas escondem-se e não posso tê-las.
Quedam-se mudas para me entristecer
e triste eu fico, tentando entendê-las.

Ai as palavras, dádivas preciosas
com que me entretenho em jogos de enredo.
Quando elas querem, damas caprichosas

que , às vezes, sigo, terno sedutor
e em quem eu toco, quase sempre a medo
se sonho, esperançoso, que sou escritor.

Eduardo
De poetaporkedeusker a 1 de Agosto de 2011 às 17:32
Meu amigo Eduardo! E é escritor, sim senhor! Sabe muitíssimo bem estes joguinhos que as palavras fazem connosco e como, por vezes, nos desviam de qualquer coisas que estávamos muitíssimo empenhados em fazer!
E este belo soneto fica tão pouco visível numa caixinha de comentários...
Meu amigo, agradeço-lhe do fundo do coração e deixo-lhe um enorme abraço! :)
De poetazarolho a 2 de Agosto de 2011 às 09:17
Cara Amiga Maria João de Sousa:
Obrigado pelo benévolo comentário que lhe mereceu o meu soneto.Não ousando duvidar da sua sinceridade e tendo ele vindo da autora dos melhores sonetos que li, de há muito a esta parte, é, para mim, um bom prémio, ou antes, uma «Menção Honrosa» que arquivarei em lugar de destaque na rodoma das minhas melhores memórias.
Um abraço amigo

Eduardo
De poetaporkedeusker a 2 de Agosto de 2011 às 14:10
Meu amigo,
Não consegui, durante toda a manhã, senão tratar dos meus animais e do meu duche. Estou atrasada mas não quero deixar de lhe dizer que me sinto muitíssimo honrada pelas suas palavras.
Neste momento sinto-me muito pouco poeta pois basta-me estar 24h sem produzir para me sentir assim... nada disto faz sentido ou é minimamente racional mas penso que terá a ver com a quantidade de horas que eu tenho de perder, diariamente, a "desentupir" a minha caixa de correio do Gmail. Se um dia se aventurar à net, não crie mais do que um ou dois blogs e não aceite proposta de escrita para mais do que um ou dois sites de amigos. Eu ultrapassei claramente os meus limites e a quantidade de tempo gasto em manobras informáticas é muito superior àquele que me fica para a produção... não gosto de dar conselhos mas, desta vez, não resisti. Gostaria muito de o ver por aí, num blog, a publicar os seus textos que tão criativos são... talvez por isso me tenha atrevido a deixar-lhe este conselho, mesmo sem saber se virá, ou não, a fazê-lo.
Um abraço muito amigo

Maria João
De poetazarolho a 1 de Agosto de 2011 às 23:00
“Campanades a morts”

Companheiros foram mortos
Pelas forças de um ditador
Ainda hoje estamos absortos
É prolongada e grande a dor

Companheiros estão entre nós
Pela sua enorme coragem
Ainda hoje lembramos sua voz
A eles prestamos homenagem

Assassinos de razões, de vidas
Não podeis mais descansar
Nosso eterno grito de guerra

Nunca sarará estas feridas
Sempre haveremos de cantar
Este simbólico hino na terra.

Inspirado em La Revolta Permanent (Lluís Llach)
http://www.youtube.com/watch?v=nIWkzlBycQM&feature=player_embedded#at=22
De poetaporkedeusker a 2 de Agosto de 2011 às 14:26
Poeta, estou no CJ e não consegui ouvir as palavras de Lluiz Llach... mas li as suas! A outra net a que consigo aceder está insuportavelmente lenta e muito instável... ao fim de imenso tempo lá consigo ficar online, mas só posso abrir uma ou duas páginas de cada vez e tudo com uma lentidão inacreditável... mas vou tentar ouvir o Campanads à Morts quando for para casa. Perdoe-me mas não estou a conseguir fazer uma única rima, tal como não consegui fazer a pequena pintura que quereria ter feito... sei que isto passa, mas sinto-me um bocadinho frustrada quando o cansaço é tão grande que me faz ficar improdutiva... e imprestável.
Abraço grande.
De poetaporkedeusker a 3 de Agosto de 2011 às 01:17
´Já ouvi o Lluís Llach, Poeta! Não entendo o catalão mas as palavras entram-nos pela pele adentro... muito obrigada, meu amigo!
De poetazarolho a 3 de Agosto de 2011 às 14:11
Letra en castellano

Campanadas a muerto
lanzan un grito para la guerra
de los tres hijos que han perdido
las tres campanas negras.
Y el pueblo se recoge
cuando el lamento se acerca;
son ya tres penas más
que hemos de llevar a la memoria.

Campanadas a muerto
por las tres bocas cerradas;
¡ay de aquel trovador
que olvidara las tres notas!
¿Quién cortó el aliento
de aquellos cuerpos tan jóvenes
sin otro tesoro
que la razón de los que lloran?

Campanadas a muerto
lanzan un grito para la guerra
de los tres hijos que han perdido
las tres campanas negras.
Asesinos de razones y de vidas
que nunca tengáis reposo
a lo largo de vuestros días
y que en la muerte os persigan
nuestras memorias.

Asesinos, asesinos de razones,
asesinos de vidas
que nunca, nunca tengáis reposo
a lo largo de vuestros días
y que en la muerte os persigan
nuestras memorias,
memorias.
De poetaporkedeusker a 3 de Agosto de 2011 às 16:46
Obrigada, Poeta! São palavras fortíssimas!
A composição resulta com uma força extraordinária!
De poetazarolho a 2 de Agosto de 2011 às 20:16
“O meu iate”

O meu iate é maior que o teu
Eu sou o maior da minha rua
Ninguém é mais rico do que eu
Minha mansão é maior qu’a tua

Sou dono da dívida soberana
Desse teu pequeníssimo país
Sim é uma situação desumana
Mas dançam como sempre quis

Eu sou o dono da orquestra
Sou o dono do piano de cauda
Maestro faz parte da equipagem

Tudo isto constitui a trave mestra
Dum sistema que não me defrauda
Onde todos me prestam vassalagem.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 3 de Agosto de 2011 às 00:58
:)

Concordo que muita gente
É só com isso que sonha...
Tudo o mais lhe é indiferente
E amar demais... envergonha...

Alguns, porém, saberão
Desde o início da vida
Como tudo isso é vão,
Como é só "tara perdida"...

Todos nós somos diferentes
E, todos nós... tão iguais
Que às vezes nem distinguimos

Quais de nós mais pertinentes...
Somos, porém, animais
A sorrir... se o decidimos!

Poeta, um grande abraço! Acabo de "vir" da Rádio Horizontes da Poesia e gostei imenso de ouvir bons poemas - o Joaquim disse um dos meus - e música que traz boas memórias. Foi tão agradável estar ali, em directo com os amigos poetas!



Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. O MOMENTO DA RECEPÇÃO DA ...

. A MEDALHA E O DIPLOMA - ...

. INFORMAÇÃO A TODOS OS AMI...

. SONETO A PRETO E BRANCO

. GLOSANDO A POETISA MARIA...

. O VIGÉSIMO SEXTO DIA

. SÁBADO, DOMINGO, SEGUNDA ...

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds