.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Terça-feira, 26 de Julho de 2011

SOU DO MAR!

 

 

Sou do mar na estranhíssima alquimia

Que me transforma em fogo e pedra e gente…

Mas muito mais do mar que, à revelia,

Se me sucede a cada sol nascente;

 

Da mesmíssima força em que ele nascia

Renasce, dia a dia, o meu presente,

E sinto exactamente o que ele sentia,

E sou exactamente o que ele consente…

 

Sou do mar no processo indecifrável

Que admite a simbiose entre o provável

E aquilo que ninguém pode provar

 

Mas, fruto desse jogo, eu sou palpável

E nessa mutação, nem sempre estável,

Eu sempre acreditei que sou do Mar!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 26.07.2011 – 13.00h

 

sinto-me :
publicado por poetaporkedeusker às 14:01
link do post | "poete" também! | favorito
|
18 comentários:
De poetazarolho a 27 de Julho de 2011 às 00:05
Somos todos do mar!

“A couve roxa”

Escrevo sobre coisas banais
Alfaces e outros vegetais
Papoilas nunca são demais
Pó branco e efeitos especiais

Não para os comuns mortais
Escrevo para mentes amorais
Desprovidas de valores sociais
Formas de vida infinitesimais

Que povoam os nossos murais
Com a necessária informação
Satisfazendo qualquer trouxa

Abastecendo os factos normais
Acessíveis à nossa compreensão
Eu escrevo sobre a couve roxa.

Depois de uma besta só mesmo uma couve roxa.
De poetaporkedeusker a 27 de Julho de 2011 às 00:54
Ah, Poeta... venho tão feliz e comovida... estive com a Rádio Horizontes, do Joaquim Sustelo e da Cida Vasconcelos. Foi tudo tão lindo e o Joaquim declama tão bem! Para mim é tudo uma novidade porque eu nunca tenho som... e o Joaquim disse um poema meu no fecho da emissão. Vieram-me as lágrimas aos olhos... escorreram mesmo...
Dá para ver que está zangado com alguém do Face... ou sou eu que já nem sei interpretar nada? Acho que não vou conseguir responder à desgarrada, Poeta... ainda estou debaixo do "encantamento" da Rádio Horizontes...
Um grande abraço e até amanhã. Pode ser que eu, amanhã, entenda melhor...
De poetazarolho a 27 de Julho de 2011 às 07:47
“Desinformação”

Tu pensas que sabes que sei
Mas eu próprio não sei nada
Zangado também não estarei
Com a sociedade plastificada

Muito mais agradado ficaria
Numa sociedade mais aberta
Sincera e solidária, todavia
Por agora temos esta da treta

Os murais são ditos em geral
Representam toda a intoxicação
Do audiovisual feito à medida

Que te apresenta o facto banal
É censura esta desinformação
E esconde a dimensão da vida.
De poetaporkedeusker a 27 de Julho de 2011 às 13:40
Eu sei, Poeta... se sei!
Por vezes, manipulados,
Podem pensar que deixei
Os amigos "pendurados"...

É por isso que prefiro
Fazer aquilo que faço;
Poetar no meu retiro
E rematar num abraço...

Mas que se passa? Este som
Que estou aqui a ouvir
No meu blogue de poemas

Não parecer estar no tom...
Desafina e faz-me rir,
Parece estar com problemas...

Muito a sério, oiço o John Lennon completamente desafinado :-/ Porque será? As palavras e as notas musicais misturam-se e estão fora de tempo... que desafinação!
Abraço grande e amigo! :)
De poetazarolho a 27 de Julho de 2011 às 23:49
“Lança-chamas”

Todos os gritos são nossos gritos
Mas é mais fácil não o reconhecer
Enquanto são os outros os aflitos
E quando formos nós a perecer?

Não haverá ninguém pr’a acudir
No momento dessa nossa aflição
Porque já ninguém estará a ouvir
Que nos restará como solução?

Enquanto tempo ainda nos resta
Demonstremos a nossa indignação
Enchamos bem os peitos de ar

Vamos mostrar a quem não presta
Como é um mundo em combustão
Com o lança-chamas vamos gritar.
De poetaporkedeusker a 28 de Julho de 2011 às 00:05
Valha-me Deus, Poeta! Isto, hoje, está muito violento... nem sei se vou conseguir poetar qualquer coisinha...

Eu sei que foi sempre assim,
Que é bem fácil a denúncia
- e também falo por mim
que vivo em tanta renúncia... -

Um dia, o planeta Terra
Há-de ser mesmo inviável
Mesmo pr`aquele que não erra
E tem uma vida estável...

Mas... adiantar o momento,
Incendiar o planeta
E deitar tudo a perder?

Mais do que tudo, lamento...
Passo ao largo, sou cometa :)
E as mais das vezes, mulher!

Abraço grande, Poeta!
De PaperLife a 28 de Julho de 2011 às 12:27
Mais um soneto fantástico Maria :')
Amei mesmo, tocou-me ^^
De poetaporkedeusker a 28 de Julho de 2011 às 16:57
:) Obrigada, Paper! Estou a chegar à conclusão de que há temas que nos vêm mesmo quando estamos num dos nossos momentos de "crise de inspiração". Este foi escrito num guardanapinho de papel, no café :) depois é que o trouxe para o ficheiro e, a seguir, para o blog. Às vezes faço-os quando menos espero... parece "maluqueira" mas é assim mesmo que sucede.
Estou a estranhar o Kico. Pela primeira vez na vida dele, não comeu ainda hoje... e era um rafeirito que comia tão bem... :(
Abraço gde!
De PaperLife a 28 de Julho de 2011 às 17:03
Pode ser do calor :/
Normalmente com o calor os animais não comem tanto...
Num guardanapo? Ahah, estou a imaginar a cena, que giro ^^
De poetaporkedeusker a 28 de Julho de 2011 às 17:15
:)) Num daqueles pequenininhos, de café... quase transparente. Mas era o que havia...
O Kico costuma comer mesmo quando está muito, muito calor! não pode ser disso... espero que ele não esteja a começar a desistir... ele é muito cardíaco e tem crises horríveis de falta de ar, mas sempre comeu bem...
De artesaoocioso a 28 de Julho de 2011 às 18:46
Cara amiga,
Dei um salto para desejar as suas melhoras e roubar um soneto. Pirata incorrigível ...
De poetaporkedeusker a 28 de Julho de 2011 às 19:26
:) Já vi que me "roubou" mais um... :))
Desculpe-me estas ausências mas nem sequer tenho conseguido sair do Facebook.
Até já, meu amigo Artesão!
De poetazarolho a 28 de Julho de 2011 às 22:11
“Alucinação”

Não há respostas ao retardador
Na actual sociedade chiclete
Mastiga até perder o sabor
A seguir deita fora na retrete

Esta é uma sociedade sem dor
Moda Primavera/Verão promete
Estação com muito esplendor
Depois deita fora, não faças frete

É uma sociedade a todo o vapor
Em que dás um passo em frente
Mesmo estando à beira do abismo

Lá em baixo sente tudo ao redor
E se sentires um cheiro diferente
Não esqueças, puxa o autoclismo.
De poetaporkedeusker a 28 de Julho de 2011 às 23:21
Boa noite, Poeta!

Sabe... eu acredito que as sociedades têm os limites que as pessoas que as constituem lhes impõem. Essa, da chiclete, é uma boa metáfora! Vamos a ver o que daqui me sai :)


O consumismo agoniza
Para a grande maioria
Que, ao pedir, só preconiza
O tal pão do dia a dia

E eu, já com tantos anos,
Não "embarco" na corrida...
A pressa provoca danos
E eu ficava perdida!

Mas não é "formatação"!
Esta minha convicção
Vem cá do fundo de mim!

Vou fazer quanto puder
Pois mais não posso fazer
E estar vivo é mesmo assim!

Estou a ficar com febre amigo. Espero que não seja constipação, nem pneumonia... é que uma não se cura mesmo com a outra...
Um abraço grande!



De poetazarolho a 29 de Julho de 2011 às 00:00
CONCERTAÇÃO SOCIAL
TSU TAXA SOCIAL ÚNICA


Todos acordam na taxa.
A Natacha não acorda,
porque os que acordam na taxa
não acordam onde a Natacha
gosta tanto de acordar.
A Natacha até discorda
de quem assim acorda
ao acordar na taxa.
P`ra Natacha é admiração
e ela tem que discordar,
pois a Natacha até acha
que acordar por despertar,
na taxa, isso é que não.
A Natacha p`ra acordar
e para se rebolar
gosta mais dum bom colchão!

Eduardo.

Este é do meu pai, tomo a liberdade de lho enviar e desejo as rápidas melhoras.
De poetaporkedeusker a 29 de Julho de 2011 às 01:39
Que delícia de poema, Poeta! O seu pai tem aquele sentido de umor inteligente que eu tanto aprecio na poesia satírica! Muito obrigada. Por favor, agradeça-lhe por mim!
Estava, agora mesmo, no Rádio Horizontes da Poesia onde já foi dito um poema meu pelo Joaquim Sustelo! Se quiser ir ao Google, escreva Horizontes da Poesia que vai lá ter!
Abraço muito grande! :)
De Peter a 29 de Julho de 2011 às 11:58
Olá poetisa, como vão as coisas??? Um beijo.
De poetaporkedeusker a 29 de Julho de 2011 às 12:44
:) Olá, Peter! Muita falta de inspiração e muitos problemas com a bicharada... há três dias que não faço um poema! Bem, hoje de manhã, quando estava a passear o Kico, começou a nascer um soneto, mas não tinha onde o escrever e ele "fugiu"... parecem passarinhos apressados! :)) Se não os escrevo logo... adeus poema!
Bacini e obrigada!

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. GLOSANDO JOÃO MOUTINHO

. GLOSANDO A POETISA MARIA...

. INFILTRAÇÔES

. O POEMA E EU

. CALADA

. GLOSANDO MARIA DA ENCARNA...

. GLOSANDO HELENA FRAGOSO I...

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds