.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Sexta-feira, 15 de Julho de 2011

O SEM NOME

Um homem que tem nome e não tem nome

Numa terra qualquer, que não é sua,

Nuns dias a comer, noutros, com fome,

Esmolando o dia-a-dia em cada rua,

 

Numa busca incessante, que o consome,

Que o faz ser quem não é, que o desvirtua,

Que o leva a não saber que rumo tome

Na estrada que a miséria tornou crua…

 

Esse homem que partiu, talvez não volte…

Talvez essa miséria nunca o solte,

Talvez a fome o leve um destes dias,

 

Talvez seja mais um dos que, à partida,

Arriscaram – quem sabe? – a própria vida

Por causa do tal excesso em que vivias…

 


 

Maria João Brito de Sousa

 


 

 IMAGEM RETIRADA DA INTERNET - "O Emigrante" - Charlie Chaplin

sinto-me :
tags: ,
publicado por poetaporkedeusker às 12:07
link do post | "poete" também! | favorito
|
20 comentários:
De PaperLife a 15 de Julho de 2011 às 12:24
Lindo :')
E dá bastante que pensar :)
De poetaporkedeusker a 15 de Julho de 2011 às 12:39
:) Olá, Paper! Eu também acho que este é mesmo para pensar. Vou ter de sair porque já estou a "furar" o horário do almoço, mas eu ainda te visito hoje!
Abraço!
De poetazarolho a 15 de Julho de 2011 às 15:41
“Ergue-te Zé”

Ai coitadinho do Zé Povinho
Jaz quase morto, esticadinho
Nas vielas dum triste caminho
Ergue-te Zé, não sejas tolinho

Anda aqui beber um copinho
Este brota directo do jarrinho
Vai do branco ou do tintinho?
Qualquer um te faz rosadinho

Quanto estiveres bem regadinho
Faz-lhes aquele gesto perfeitinho
Irão perceber num instantinho

Que o nosso manguito é potente
Pensarão duas vezes certamente
Antes que se metam com a gente.
De poetaporkedeusker a 15 de Julho de 2011 às 16:05
: )

Este Zé Povinho é um personagem magnificamente conseguido!

No caso do Zé Povinho,
Homenageio Bordalo
E aceito esse gestozinho
Do Zé a erguer um falo...

Há anos que ele se mantém
Sempre mais do que actual
E sem fazer mal nem bem
Faz muito mais Bem que Mal...

Traz consigo uma ironia
Difícil de conceber
- ou difícil de aceitar... -

Nessa mão - quem o diria? -
É que ele faz acontecer
Quanto trabalho criar...

:D Abraço!

De M.Luísa Adães a 16 de Julho de 2011 às 16:01
E os excessos levam tanta vez a essas vidas...

E outros já nascem (por destino?) nessas mesmas vida.

Bom poema! Um abraço, Mª. Luísa

De poetaporkedeusker a 18 de Julho de 2011 às 10:50
Bom dia, Maria Luísa. Não sei se será mesmo destino, se será apenas a consequência de terem nascido num meio já muito pobre... e qual de nós poderá afirmar que o sabe sem sombra de dúvida? Mas eu referia-me às diferenças que são muito exageradas. Penso que toda a sociedade que permite as grandes acumulações de riqueza, permite também a maior das misérias.
Obrigada e até já.
De M.Luísa Adães a 18 de Julho de 2011 às 11:13
Uma espécie de destino, ou de lei atemporal
os fez nascer na miséria.
Mas que a grande riqueza traz a muita miséria
é uma verdade!

Mas uns nascem muito ricos, outros no caminhar se tornam ricos e a grande percentagem nasce e morre na miséria.

Não pretendo explicar as razões que me levam a chamar "Destino" eu sei o que
pretendo dizer e isso é suficiente para mim.

Mas o que dizes também é verdade, dentro dos teus conceitos de analisar.

Melhoras,

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 18 de Julho de 2011 às 11:21
É isso, Maria Luísa. Analisámos as coisas por facetas diferentes de um mesmo prisma e eu penso que acabam por se complementar.
Fui fazer as análises de rotina esta manhã e, agora, vais ser a primeira pessoa que eu visito.
Até já!
De M.Luísa Adães a 18 de Julho de 2011 às 18:46
E salvei meus gatos! Pensaste que os devia salvar? E eu pensei o mesmo e os salvei!
E depois se verá!...

Boas análises!

Abraço,

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 19 de Julho de 2011 às 15:35
:) E é que pensei mesmo mas eu tenho uma posição ética muito forte nestas coisas e gosto que o autor tenha a maior das liberdades... nunca to teria dito se tu não o decidisses por ti.
Abraço grande! :)
De M.Luísa Adães a 19 de Julho de 2011 às 15:54
No livro "Timbuktu" de Paul Auster - escritor de culto - americano, o cão no final e já velho, tendo tido vários donos, se suicida na auto-estrada, onde ele passava correndo milhentas vezes quando jovem.
Não tive coragem de o ler todo, mas o fim nunca vou esquecer!
E ao dizer isto, comecei a chorar e ainda não passou.
Eu nunca teria coragem de escrever aquele livro, mesmo se tivesse talento para isso.

Maria Luísa
De poetaporkedeusker a 19 de Julho de 2011 às 16:00
Acredito que não, amiga. Mas nisso eu acredito! Acredito que alguns animais possam ser dotados duma inteligência que deixa muitos de nós envergonhados, de um profundo sentido de dignidade e até do suicídio, quando sente que a morte é inevitável, está muito próxima e pode favorecer o seu maior amigo, o dono. Seria suposto ler-se essa obra como ficcional - eu nunca a li mas penso estar a entender - mas eu sei bem do que certos animais são capazes.
O meu Kico é que não é nada suicida e ainda se sente feliz apesar de todas as limitações :)
Abraço grande!
De Peter a 16 de Julho de 2011 às 17:23
Olá poetisa execelente.Voltei mais uma vez. Como está a saude??? Gosto de vê-la em forma. bacio.
De poetaporkedeusker a 18 de Julho de 2011 às 10:53
Peter! Que bom vê-lo por cá! Eu sei que não mereço sequer uma visita porque acabo por não retribuir a maioria delas... mas estou lenta a todos os níveis. É-me muitas vezes impossível visitar quem me apetecia visitar...
Bacini e muito obrigada!
De poetazarolho a 17 de Julho de 2011 às 10:50
“Intermitências”

Nas intermitências da vida
Muitas dúvidas te assaltam
Se levas uma vida sofrida
Há coisas que te revoltam

Nas intermitências da morte
Vês as coisas com clareza
E agradeces a imensa sorte
Do gesto que trás nobreza

Nobreza não vem do título
Tão pouco to dá a riqueza
Vem do coração certamente

Onde cada dia é um capítulo
Pleno de gestos raros e beleza
Que só um coração nobre sente.
De poetaporkedeusker a 18 de Julho de 2011 às 11:03
Olá, Poeta! Estou num dia menos bom porque tive a notícia da morte de um amigo, mas vou tentar...

Nessa tal intermitência
Se vive uma vida inteira
Às vezes na transparência,
Às vezes de outra maneira...

Nuns dias mais inspirada,
Nos outros, um pouco menos,
Fazendo versos do nada
Ou do pouquinho que temos...

Mas enquanto respirarmos,
O sangue correr nas veias
E o coração nos pedir

Fazemos, do que encontrarmos,
Coisas tão feitas de ideias
Que só se podem sentir...


Abraço grande e uma boa semana!
De poetazarolho a 17 de Julho de 2011 às 11:04
“Que stress”

Os festivais de Verão
Esgotaram a lotação
Por causa da crise, não?
Sim, é pr’abanar o melão

Que o melão abanado
Acaba menos fatigado
Não são festivais de fado
São de rock bem pesado

Que o pessoal enrascado
Curte lá um bom bocado
Esquece o ano stressante

Daquela busca incessante
Pelo job bem remunerado
Onde se trabalhe sentado.
De poetaporkedeusker a 18 de Julho de 2011 às 11:13
Não sei como responder...
Os jovens sempre cantaram
E não sei se para os ver
Pagaram ou não pagaram...

Em tempos que já lá vão,
Festivais eram, também,
Ponto de reunião
Pr`aqueles que não estavam bem...

Em muitos deles se falava
Da liberdade perdida,
Da conquista por chegar

E muita gente pensava
Que eram ponto de partida
Para a poder conquistar !

Beijinho e até já!
De artesaoocioso a 17 de Julho de 2011 às 16:06
Mais um belo poema para eu roubar.
Provavelmente os homens nunca saberão construir sociedades justas. Já levam milénios de aprendizagem e nada.
Grande abraço
De poetaporkedeusker a 18 de Julho de 2011 às 11:16
Olá, amigo Artesão. Pensei muito nisso durante este fim de semana... tentemos, pelo menos, construí-las cada vez mais justas.
Obrigada pelo "roubo" e uma boa semana de trabalho!

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. GLOSANDO JOÃO MOUTINHO

. GLOSANDO A POETISA MARIA...

. INFILTRAÇÔES

. O POEMA E EU

. CALADA

. GLOSANDO MARIA DA ENCARNA...

. GLOSANDO HELENA FRAGOSO I...

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds