.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Terça-feira, 2 de Novembro de 2010

SÁBADO, DOMINGO, SEGUNDA E TERÇA FEIRA

 

 

A  ILHA  III

 

 

 

Disseste que estou só e eu quero crer

Que acreditas que sim… que absurda ideia!

A minha solidão está sempre cheia

De mundos que nem podes conceber…

 

 

A solidão só vem quando eu quiser

E há coisas como grãos de fina areia

Habitando este “mar” que me rodeia,

Nas marés das palavras que eu escrever…

 

 

Podes guardar as penas pr`a depois

Porque eu, ilha assumida e povoada,

Não quero as tuas penas nem procuro

 

 

A solidão da vida feita a dois

Tantas vezes pior que não ter nada...

É só que eu nasço e morro, isso te juro!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa

 

 

O FEITIÇO

 

 

Por motivos que nem conceberias,

Enfeiticei-te a vida e não choraste…

Poderia jurar que até gostaste

E reparei, mais tarde, que sorrias…

 

 

Mas, depois da mudança, entenderias…

Pensei-o, fi-lo e tu… nem te zangaste!

Não sei se o laconismo a que chegaste

Te impediu de mostrar o que sentias,

 

 

Ou se sentir, pr`a ti, era uma coisa

Que surge como o pássaro que poisa

E só muito mais tarde afunda as garras…

 

 

Enfeitiçado, ou não… a vida é tua!

O meu feitiço é brando e nunca actua

Sobre almas que estão presas por amarras…

 

 

 

Maria João Brito de Sousa

 

 

A PERSISTÊNCIA DO POEMA

 

 

É este o meu destino, eu não duvido!

Em tudo o mais que fiz, não me encontrei

E quando faço a conta ao já vivido,

Só nestoutro presente é que me sei…

 

 

Poeta, obedecendo ao que é pedido,

Eu abençoo a hora em que me dei...

Mais tarde, num presente “em diferido”,

Hão-se crescer os frutos que plantei…

 

 

Viver, morrer… tudo isto é natural.

Tudo isto, acontecendo, me acontece,

Bem como a todos vós que possais ler-me,

 

 

Mas se o Poema nasce, esse imortal

Tão incorpóreo quanto a própria prece,

Persiste e há-de, após, sobreviver-me!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 01.11.2010 – 14.32h

 

 

 

SONETILHO COM VISTA PARA OS MARES DA LUA

 

 

Hoje a Lua está tão perto

Que quase posso tocá-la!

Dela só quero esse incerto

Dos tais mares que vão banhá-la

 

 

E julgo ter descoberto

Que é desses mares que ela fala,

Que é nessas marés, decerto,

Que eu hei-de, um dia, alcançá-la…

 

 

Da janela em que repouso

Olho esses mares que mal ouso,

Consigo, ao longe, avistá-los

 

 

E lá por serem lunares

Não deixarão de ser mares

Nem eu deixarei de amá-los!

 

 

Maria João Brito de Sousa – 01.11.2010 – 15.41h

 

 

sinto-me :
publicado por poetaporkedeusker às 10:44
link do post | "poete" também! | favorito
|
10 comentários:
De linhaseletras a 2 de Novembro de 2010 às 14:13
Boa tarde minha amiga, estes sonetos de fim de semana são uma maravilha, eu só posso dizer que adorei.
O primeiro podia ter sido feito para mim porque tem muito a ver comigo e com o que eu penso .
Um grande abraço e bom inicio de semana.
De poetaporkedeusker a 2 de Novembro de 2010 às 15:17
Minha amiga Idalina, muito obrigada! Lembrei-me muito de si quando me nasceu este último sonetilho. A Idalina também os costuma fazer e foi consigo que eu me habituei a gostar deles! São como os sonetos clássicos, mas em vez de serem em decassílabo, são em redondilha maior! Acho que ficou muito bonito este que fiz agora.
Já me tinha perguntado o que seria feito de si, mas eu sei que sou a primeira a dar o mau exemplo de não fazer visitas... olhe, acredita que estou, há mais de meia hora, a tentar entrar no site da Segurança Social e não consigo? Mas tem mesmo de ser! Tenho de entrar! Já tenho os dados todos e o prazo está no limite... deve ser a net que está muito lenta hoje. A verdade é que fica a "rodar" em espera e... já estava tão cansada de esperar que resolvi dar um pulinho ao poetaporkedeusker :))
Agora tenho de voltar a tentar!
Se puder, ainda volto para lhe fazer a visitinha!
Um enorme abraço!
De Simbologia do aMoR a 2 de Novembro de 2010 às 22:51
Oi Maria


Lindos sonetos.
Uma curiosidade!
Qual a diferença entre soneto clássico e redondilha?
É que não entendo nada disso e queria saber.

Abraço.
De poetaporkedeusker a 3 de Novembro de 2010 às 12:32
Olá, Vera! Parece mais complicado do que realmente é... o soneto clássico - os meus são em decassílabo heróico - tem versos de dez sílabas métricas com uma tónica na sexta e na décima sílabas métricas e o sonetilho tem a mesma estrutura, mas com versos de sete sílabas métricas.
O verso de sete sílabas métricas chama-se "redondilha maior" e é o mais utilizado na poesia popular. Um dos grandes mestres da redondilha, em Portugal, foi o poeta António Aleixo.
Vera, acabo de conseguir preencher aqueles documentos da Segurança Social e nem fazes ideia do alívio que estou a sentir! Ontem, quando saí daqui, quase chorava de frustração! À noite fiz um soneto muito palerma a queixar-me por não conseguir preencher esses papéis :)) Já não faz muito sentido mas talvez o publique depois do almoço. Não tem conteúdo nenhum de qualidade mas está correcto, do ponto de vista formal... e ontem serviu-me para desabafar! Depois de o escrever - escrevi-o todo de uma assentada - fiquei bem menos aflita do que estava antes...
Agora tenho mesmo de ir almoçar! Bjo!
De Vítor a 2 de Novembro de 2010 às 19:03
Maria João,o feitiço da persistência em sonetilho com vista para os mares da lua,levam-me a que viaje nos tempos ao sabor de grandes sonetos.

Bj*
De poetaporkedeusker a 3 de Novembro de 2010 às 12:35
:) Muito obrigada, Vítor!
Depois do almoço faço uma visita, sem falta! Agora já me sinto bem mais leve porque os documentos já estão preenchidos!
Abraço grande!
De M.Luísa Adães a 2 de Novembro de 2010 às 19:18
Mª. João

Belo o que escreves. Não posso comentar um e outro, mas os junto, desculpa são diferentes
e mais o último.

Mas escrever assim és como Dalí a pintar...

Escreves, como se de uma Deusa se tratasse.

E este é o maior elogio que te posso dar.

Lamento minhas ausências, mas o google
dá-me muito trabalho e eu mudei, de certa forma, a maneira como escrevo.

Quando possível repara! E o tempo é pouco
para 3 blogs.

Preciso de descansar. não aguento o ritmo.

Beijo e escreve-me. Analisa os poemas.
Estão a ficar bastante diferentes.

Beijos,

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 3 de Novembro de 2010 às 12:37
Eu volto já para te ler, Maria Luísa! Acho interessantíssimas essas pequenas mudanças que a nossa poesia vai tendo e que são fruto de incontáveis variáveis... adoro analisar esse tipo de evolução!
Até já e um abraço grande!
De M.Luísa Adães a 3 de Novembro de 2010 às 14:13
Mª. João

Eu volto, mas desculpa a pressa.

por favor e se possível passa pelos prémios,
tenho uma notícia sobre a iraquiana condenada à morte, uma pequena análise e o
resto é meu.

Beijos e até logo,

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 3 de Novembro de 2010 às 14:38
Cheguei agora, Maria Luísa e vou ao Prémios mesmo antes de publicar o meu soneto do dia que nem sequer tem qualidade nenhuma... mas foi o possível de ontem, depois de ter estado a tarde inteira a tentar preencher a papelada.
Sei da história dessa pobre mulher e até aderi à causa, mas nunca tenho muito tempo para visitar o Facebook...
Bjo!

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. SÁBADO, DOMINGO, SEGUNDA ...

. MEMÓRIA(S) DO NÁUFRAGO-PE...

. RUAS

. A PAUTA INVISÍVEL

. GLOSANDO A POETISA MARIA...

. DIÁLOGOS ENTRE MÃE E FILH...

. SETEMBRO(S)

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds