.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Segunda-feira, 29 de Fevereiro de 2016

GLOSANDO FLORBELA ESPANCA (12)

caravela040609.jpg

CARAVELAS...



Cheguei a meio da vida já cansada

De tanto caminhar! Já me perdi!

Dum estranho país que nunca vi

Sou neste mundo imenso a exilada.



Tanto tenho aprendido e não sei nada.

E as torres de marfim que construí

Em trágica loucura as destruí

Por minhas próprias mãos de malfadada!



Se eu sempre fui assim este Mar Morto:

Mar sem marés, sem vagas e sem porto

Onde velas de sonhos se rasgaram!



Caravelas doiradas a bailar...

Ai quem me dera as que eu deitei ao Mar!

As que eu lancei à vida, e não voltaram!...



Florbela Espanca, in "Livro de Soror Saudade"



CARAVELAS...



"Chego a meio da vida já cansada",

O sopro humano gasto, a vela panda...

E a tempestade que não mais abranda

Não pára de galgar minha amurada...



"Tanto tenho aprendido e não sei nada"...

Nunca acaba esta busca, esta demanda,

Nem se cala esta voz que ma comanda,

Ainda que por vagas açoitada...



"Se eu sempre fui assim, este Mar Morto",

Que, à beira do naufrágio, fica absorto

Nesta contemplação do mar em mim,



"Caravelas doiradas a bailar",

Tão minhas quanto o devem ser do mar,

São quanto de mim sobra, até ao fim...

 

 

Maria João Brito de Sousa - 03.02.2016 - 13.04h

 

 

 

publicado por poetaporkedeusker às 13:39
link do post | "poete" também! | ver poetices (3) | favorito
|
Sábado, 27 de Fevereiro de 2016

GLOSANDO FLORBELA ESPANCA (11)

16082702.jpg

 

PERDI OS MEUS FANTÁSTICOS CASTELOS



Perdi meus fantásticos castelos 
Como névoa distante que se esfuma... 
Quis vencer, quis lutar, quis defendê-los: 
Quebrei as minhas lanças uma a uma! 

Perdi minhas galeras entre os gelos 
Que se afundaram sobre um mar de bruma... 
- Tantos escolhos! Quem podia vê-los? – 
Deitei-me ao mar e não salvei nenhuma! 

Perdi a minha taça, o meu anel, 
A minha cota de aço, o meu corcel, 
Perdi meu elmo de ouro e pedrarias... 

Sobem-me aos lábios súplicas estranhas... 
Sobre o meu coração pesam montanhas... 
Olho assombrada as minhas mãos vazias... 

Florbela Espanca, in "A Mensageira das Violetas"



... E EU, A MINHA PEQUENINA "TOCA"...

 

"Perdi os meus fantásticos castelos"

- ah, meras ilusões feitas de espuma... -,

No instante em que deixei de merecê-los

Por não ambicionar mais coisa alguma...

 

"Perdi minhas galeras entre os gelos";

Os sonhos, em cochins de sumaúma,

Foram-se transformando em pesadelos

Que hoje devolvo à dimensão da bruma...

 

"Perdi a minha taça, o meu anel

E esta incansável espada de papel

Foi-se embotando em causas destemidas...

 

"Sobem-me aos lábios súplicas estranhas"

Nos versos que me sobem das entranhas

Esgrimindo-se em batalhas já perdidas...

 

 

Maria João Brito de Sousa - 02.02.2016 - 13.54h

 

 

 

 

 

publicado por poetaporkedeusker às 12:11
link do post | "poete" também! | ver poetices (4) | favorito
|
Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2016

GLOSANDO FLORBELA ESPANCA (10)

008.jpg

 

 

DA MINHA JANELA

 

 

Mar alto! Ondas quebradas e vencidas
Num soluçar aflito, murmurado...
Vôo de gaivotas, leve, imaculado,
Como neves nos píncaros nascidas!

Sol! Ave a tombar, asas já feridas,
Batendo ainda num arfar pausado...
Ó meu doce poente torturado
Rezo-te em mim, chorando, mãos erguidas!

Meu verso de Samain cheio de graça,
Inda não és clarão já és luar
Como um branco lilás que se desfaça!

Amor! Teu coração trago-o no peito...
Pulsa dentro de mim como este mar
Num beijo eterno, assim, nunca desfeito!...

Florbela Espanca, in "Livro de Sóror Saudade"



DA MINHA...



"Mar alto, ondas quebradas e vencidas",

Ou, bem pelo contrário, `inda raivosas;

Ora serenas, frágeis, amorosas,

Ora enormes, rugindo enraivecidas...



"Sol! Ave a tombar, asas já feridas,"

Sobre as copas doiradas das mimosas

Que recolho, uma a uma, bem viçosas,

Do meu álbum de imagens não esquecidas...



"Meu verso de Samain cheio de graça",

Mal chegaste e já vais dizendo adeus,

Passo em falso, que passa e se ultrapassa...



"Amor! Teu coração, trago-o no peito..."...

Mas a memória, selectiva e escassa,

Já fez uso de um "crivo" activo... e estreito.





Maria João Brito de Sousa - 01.02.2016 - 16.28h







 

 

publicado por poetaporkedeusker às 17:56
link do post | "poete" também! | ver poetices (8) | favorito
|
Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2016

GLOSANDO FLORBELA ESPANCA (9)

Bolas de sabão.jpeg

AS MINHAS ILUSÕES





Hora sagrada dum entardecer

D’Outono, à beira-mar, cor de safira.

Soa no ar uma invisível lira...

O sol é um doente a enlanguescer...



A vaga estende os braços a suster,

Numa dor de revolta cheia de ira,

A doirada cabeça que delira

Num último suspiro, a estremecer!



O sol morreu... e veste luto o mar...

E eu vejo a urna d’oiro, a baloiçar,

À flor das ondas, num lençol d’espuma.



As minhas Ilusões, doce tesoiro,

Também as vi levar em urna d’oiro,

No mar da Vida, assim... uma por uma





Florbela Espanca, in "Livro de Mágoas"





... E AS MINHAS...

"Hora sagrada dum anoitecer"

A que a nuvem se esquece que aspergira

Com a bênção da chuva e que suspira

Por ver o dia assim, quase a morrer...



"A vaga estende os braços a suster"

As mil desilusões que já sentira,

Pr`a que a força dos braços lhe sugira

Que, amanhã, há-de o dia amanhecer...



"O sol morreu... e veste luto o mar..."...

De nada serve à vaga sustentar

As razões por que escreve, ou por que fuma...



"As minhas Ilusões, doce tesoiro,"

Quais bolas de sabão, vão ´dando o estoiro`,

Nenhuma tem mais peso que uma pluma...





Maria João Brito de Sousa - 30.01.2016 -21.41h



 

 

publicado por poetaporkedeusker às 15:19
link do post | "poete" também! | ver poetices (2) | favorito
|
Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2016

GLOSANDO FLORBELA ESPANCA (8)

digitalizar0045.jpg

 

AS MINHAS ILUSÕES

 

Hora sagrada dum entardecer 
D’Outono, à beira-mar, cor de safira. 
Soa no ar uma invisível lira... 
O sol é um doente a enlanguescer...

 

A vaga estende os braços a suster, 
Numa dor de revolta cheia de ira, 
A doirada cabeça que delira 
Num último suspiro, a estremecer!

 

O sol morreu... e veste luto o mar... 
E eu vejo a urna d’oiro, a baloiçar, 
À flor das ondas, num lençol d’espuma.

 

As minhas Ilusões, doce tesoiro, 
Também as vi levar em urna d’oiro, 
No mar da Vida, assim... uma por uma...

 

 

Florbela Espanca, in "Livro de Mágoas"

 

 

... E AS MINHAS...

 


"Hora sagrada dum anoitecer"
A que a nuvem se esquece que aspergira
Com a bênção da chuva e que suspira
Por ver o dia assim, quase a morrer...

 

"A vaga estende os braços a suster"
As mil desilusões que já sentira,
Pr`a que a força dos braços lhe sugira
Que, amanhã, há-de o dia amanhecer...

 

"O sol morreu... e veste luto o mar..."...
De nada serve à vaga sustentar
As razões por que escreve, ou por que fuma...

 

"As minhas Ilusões, doce tesoiro,"
Quais bolas de sabão, vão ´dando o estoiro`,
Nenhuma tem mais peso que uma pluma...

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 30.01.2016 -21.41h

publicado por poetaporkedeusker às 09:52
link do post | "poete" também! | ver poetices (4) | favorito
|
Sexta-feira, 19 de Fevereiro de 2016

GLOSANDO FLORBELA ESPANCA (7)

casa-do-gato1.jpg

 

LANGUIDEZ

 

 

Tardes da minha terra, doce encanto,

Tardes duma pureza d’açucenas,

Tardes de sonho, as tardes de novenas,

Tardes de Portugal, as tardes d’Anto,

 

Como eu vos quero e amo! Tanto! Tanto!...

Horas benditas, leves como penas,

Horas de fumo e cinza, horas serenas,

Minhas horas de dor em que eu sou santo!

 

Fecho as pálpebras roxas, quase pretas,

Que poisam sobre duas violetas,

Asas leves cansadas de voar...

 

E a minha boca tem uns beijos mudos...

E as minhas mãos, uns pálidos veludos,

Traçam gestos de sonho pelo ar...

 

 

Florbela Espanca, in "Livro de Mágoas"

 

 

PEQUENINAS FUGAS...

 

 

"Tardes da minha terra, doce encanto",

Lembrando cães e gatos e palmeiras

Com horas coloridas por tonteiras

E fronteiras rasgadas pelo espanto...

 

"Como vos quero e amo! Tanto! Tanto!"...

Pois, mesmo que me passem mil rasteiras,

As contas me parecem brincadeiras

E, enquanto o penso, vou esquecendo o pranto...

 

"Fecho as pálpebras roxas, quase pretas";

As contas por pagar parecem tretas,

Os prazos a cumprir ficam pendentes

 

"E a minha boca tem uns beijos mudos"

Que surgem nos momentos mais agudos

Pr`a me encher de certezas... aparentes...

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 30.01.2016 - 13.42h

 

 

NOTA - Peço desculpa à Florbela por ter pegado neste seu magnífico soneto e o ter "transformado", segundo a minha realidade, num "rosnido marcadamente social", mas... as realidades urgentes impõem-se-me às pequeninas fugas (im)possíveis e eu nunca fui vocacionalmente suicida...

Filho da puta de mundo este que constantemente vai retirando, a muitos de nós, toda e qualquer possibilidade de sobrevivência, mesmo quando ela resiste "no fio-da-navalha" e muito, muito além dos seus humanos limites... (Eu)

 

publicado por poetaporkedeusker às 11:12
link do post | "poete" também! | ver poetices (12) | favorito
|
Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2016

GLOSANDO FLORBELA ESPANCA (6)

VOGAISECONSOANTES.jpg

 

TARDE NO MAR



A tarde é de oiro rútilo: esbraseia,

O horizonte: um cacto purpurino.

E a vaga esbelta que palpita e ondeia,

Com uma frágil graça de menino,



Poisa o manto de arminho na areia

E lá vai, e lá segue ao seu destino!

E o sol, nas casas brancas que incendeia,

Desenha mãos sangrentas de assassino!



Que linda tarde aberta sobre o mar!

Vai deitando do céu molhos de rosas

Que Apolo se entretém a desfolhar...



E, sobre mim, em gestos palpitantes,

As tuas mãos morenas, milagrosas,

São as asas do sol, agonizantes...



Florbela Espanca, in "Charneca em Flor"



TARDE NO MAR



"A tarde é de oiro rútilo; esbraseia,"

O céu, qual mão pesada em gesto irado,

Emana tal calor que quase ateia

Mil chamas sobre o chão já castigado...



"Poisa o manto de arminho na areia"

E abrasa mais, julgando ter poupado

A terra, o mar e tudo o que o rodeia,

Pois mais parece ter-se incendiado...



"Que linda tarde aberta sobre o mar!"

Mas... quem te soube ler, não acredita

Em descrição tão suave e linear...



"E, sobre mim, em gestos palpitantes",

Desce, de novo, o extâse da escrita,

Abraçam-se as vogais às consoantes...





Maria João Brito de Sousa - 29.01.2016 - 16.42h



 

Imagem via Google





 

tags: , ,
publicado por poetaporkedeusker às 14:24
link do post | "poete" também! | ver poetices (8) | favorito
|
Segunda-feira, 15 de Fevereiro de 2016

GLOSANDO FLORBELA ESPANCA - (5)

12122004450261.jpg



ANOITECER



A luz desmaia num fulgor d'aurora,
Diz-nos adeus religiosamente...
E eu, que não creio em nada, sou mais crente
Do que em menina, um dia, o fui... outrora...



Não sei o que em mim ri, o que em mim chora
Tenho bênçãos d'amor pra toda a gente!
Como eu sou pequenina e tão dolente
No amargo infinito desta hora!



Horas tristes que são o meu rosário...
Ó minha cruz de tão pesado lenho!
Meu áspero e intérmino Calvário!



E a esta hora tudo em mim revive:
Saudades de saudades que não tenho...
Sonhos que são os sonhos dos que eu tive...



Florbela Espanca, in "Livro de Soror Saudade"





ANOITECER

 



"A luz desmaia num fulgor d`aurora",

Qual chama que se apaga humildemente,

Como se tivesse alma e fosse gente

Que percebesse que é chegada a hora...



"Não sei o que em mim ri, o que em mim chora"

No pouco que esta vida me consente,

Só sei que a luz me abraça mansamente

Quando se esbate, suave e sedutora...



"Horas tristes que são o meu rosário",

Mas que, às vezes, cobertas de ternura,

Mostram ser, da tristeza, o seu contrário



"E, a esta hora, tudo em mim revive:"

Ah, quanta lassidão!... mas pouco dura...

Apagar-se-me-á mal me cative...





Maria João Brito de Sousa - 28.01.2016 - 15.06h

 

 

publicado por poetaporkedeusker às 15:03
link do post | "poete" também! | ver poetices (4) | favorito
|
Domingo, 14 de Fevereiro de 2016

GLOSANDO FLORBELA ESPANCA - (4)

digitalizar0041.jpg

MENDIGA

 

Se me ponho a cismar em outras eras

Em que ri e cantei, em que era qu’rida,

Parece-me que foi noutras esferas,

Parece-me que foi numa outra vida...

 

E a minha triste boca dolorida

– Que dantes tinha o rir das primaveras,

Esbate as linhas graves e severas

E cai num abandono de esquecida!

 

E fico, pensativa, olhando o vago...

Toma a brandura plácida dum lago

O meu rosto de monja de marfim...

 

E as lágrimas que choro, branca e calma,

Ninguém as vê brotar dentro da alma!

Ninguém as vê cair dentro de mim!

 

Florbela Espanca, in "Livro de Mágoas"

 

 

RETROSPECTIVA

 

"Se me ponho a cismar em outras eras"

Em que, de alguma forma, fui traída

Por vagas convicções, tolas quimeras,

Daquilo que, afinal, seria a vida

 

"E a minha boca triste e dolorida"

Sorrindo tão somente pr`a quem eras,

Esquecida de sorrir, somava esperas,

Perdendo-se em razões pr`a ser esquecida,

 

"E fico, pensativa, olhando o vago...",

Sorrindo à vida que bebi de um trago,

Quando outro tempo mo ditava assim

 

"E as lágrimas que choro(ei) , branca e calma,"

Sugerem-me infantis tragédias d`alma

Que mal se lembram de brotar de mim...

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 27.01.2016 - 13.03h

publicado por poetaporkedeusker às 16:37
link do post | "poete" também! | ver poetices (6) | favorito
|
Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2016

GLOSANDO FLORBELA ESPANCA (3)

images (41).jpg

 

CASTELÃ DA TRISTEZA

 

Altiva e couraçada de desdém,

Vivo sozinha em meu castelo: a Dor!

Passa por ele a luz de todo o amor...

E nunca em meu castelo entrou alguém!

 

Castelã de tristeza, vês?... A quem?!...

– E o meu olhar é interrogador –

Perscruto, ao longe, as sombras do sol-pôr...

Chora o silêncio... nada ... ninguém vem...

 

Castelã da Tristeza, por que choras

Lendo, toda de branco, um livro de horas,

À sombra rendilhada dos vitrais?...

 

À noite, debruçada p’las ameias,

Por que rezas baixinho?... Por que anseias?...

Que sonho afagam tuas mãos reais?...

 

Florbela espanca, in "Livro de Mágoas"

 

NÃO VÊS?

 

"Altiva e couraçada de desdém",

Mas nunca desprovida de valor

E, quase sempre, pronta a pressupor

Que, mesmo nada sendo, eras alguém...

 

"Castelã da Tristeza, vês? ... A quem?!..."

Quando tu, cultivando a própria dor,

A cada qual tornaste um desertor

Da mágoa que, por vezes, te entretém?...

 

"Castelã da Tristeza, por que choras"

E a quem é que, chorando, tanto imploras

A esmola de quem te ame um pouco mais?

 

"À noite, debruçada p`las ameias",

Não vês que a fome alastra nas aldeias

Enquanto, nessa angústia, em vão te esvais?

 

 

Maria João Brito de Sousa - 26.01.2016 - 12.44h

 

publicado por poetaporkedeusker às 14:40
link do post | "poete" também! | ver poetices (8) | favorito
|
Quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2016

EU E FLORBELA

digitalizar0083.jpg

 

 

Eu

Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho, e desta sorte
Sou a crucificada ... a dolorida ...

Sombra de névoa ténue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida! ...

Sou aquela que passa e ninguém vê ...
Sou a que chamam triste sem o ser ...
Sou a que chora sem saber porquê ...

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver
E que nunca na vida me encontrou!

Florbela Espanca, in "Livro de Mágoas"

 

EU

 

Eu, em contrapartida, sei quem sou;

Poeta, fui-o sempre, a vida inteira,

Dos versos dedicada companheira,

Rocha, ou papoila, que do chão brotou

 

E, depressa demais, desabrochou,

Tomando a sua própria dianteira

Na caminhada junto à ribanceira

Em que o passo apressado a colocou,

 

Mas vive, agora muito lentamente,

Um tempo mais teimoso e mais urgente

Que teima em não parar pr`a repousar

 

E que passa por ela e segue em frente,

Sem dar conta do mal que faz à gente

Que vai estando cansada de passar...

 

Maria João Brito de Sousa - 28.01.2016 - 11.00h

 

 

publicado por poetaporkedeusker às 14:19
link do post | "poete" também! | ver poetices (8) | favorito
|
Quarta-feira, 3 de Fevereiro de 2016

O ESTUÁRIO II

Tejo e Mar.jpg

Soneto nascido muito apressadamente na sequência do poema "Parava o Tempo", de Felismina Costa.

 

Permito-me transcrever os versos do poema que vieram a sugerir-me esta resposta;

 

..."... A sul, o rio correndo, é prata agora

E beija a cidade, enamorado…

Numa preguiça, numa dolência,

de quem sabe ter chegado! "...

 

 

O ESTUÁRIO II

 

 

Assim que chega à foz, o manso Tejo

Pressente o mar imenso, avança, então,

E, nessa correria, eu quase invejo

O abraço que, por fim, os dois darão...

 

Aí cresci, aí, onde os cortejo,

Nesse ponto onde os dois se encontrarão,

Na foz, nesse estuário em que revejo

Mil horas de infantil contemplação...

 

E enfrentam-se esses dois, que já mal vejo,

Num rude amplexo, em plena transgressão,

Onde há espumas e vagas, de sobejo,

 

Porque onde um quer passar, outro diz: - Não!

Mas passa o Tejo a mar num louco beijo

E o mar adentra um Tejo em convulsão...

 

 

Maria João Brito de Sousa - 28.01.2016 - 19.25h

 

publicado por poetaporkedeusker às 16:28
link do post | "poete" também! | ver poetices (4) | favorito
|

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. CICLO(S)

. TALVEZ...

. PEQUENA SINFONIA

. MEMÓRIA(S) DO NÁUFRAGO-PE...

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. O MEU PATRONO VISTO POR M...

. GLOSANDO A POETISA MARIA...

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

. Conversas à Janela durant...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds