.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Segunda-feira, 11 de Janeiro de 2010

SÁBADO, DOMINGO E SEGUNDA FEIRA IV

 

 

A FERRAMENTA

 

Se eu cresci a saber que duvidar

É a mais produtiva ferramenta

- embora dê trabalho e seja lenta… -

Porque me falas tu de acreditar

 

Como se fosse a forma de criar

Que tudo vai gerar, tudo sustenta?

A dúvida é um bem que me acalenta,

Que me ensinou a arte de voar…

 

Sem dúvida que a dúvida é, por vezes,

O ponto de partida de uma fuga,

Mas gera, para nós, sabedoria…

 

Duvidei tanto, ao longo destes meses,

Que vi acrescentada, em cada ruga,

A lavra do que eu não compreendia…

 

ONÍRICO

 

Sereias, verdes ilhas, longos arcos

Na paisagem onírica e tão calma

Que nos vai refrescando corpo e alma

Onde antes os motivos eram parcos.

 

Oníricas divisas, quais medalhas

Dessoutra metafísica palpável

Que, muitas vezes, pode ser viável

No mundo do real, ali, “ao calhas”…

 

Naquelas verdes ilhas que sonhei,

Que química indizível partilhei

Com aquilo que existe e me rodeia?

 

Talvez, em vez de química, “alquimia”…

O sonho traz-me sempre essa magia

Que é, para mim, suprema Panaceia!

 

 

 

SOLTAR AS AMARRAS

 

 

Soltai-vos dedos quando, descontentes,

Vos crispais sobre as palmas destas mãos!

Soltai-vos e escrevei poemas vãos

Sobre o riso e as lágrimas das gentes!

 

Soltai-vos e escrevei sonetos leves,

Fluentes como as águas de mil fontes!

Soltai-vos e lançai serenas pontes

Como se sempre houvésseis sido breves…

 

Mas, mesmo quando presos e crispados,

Não vos negueis, ó, dedos encurvados,

Não vos deixeis vencer por uma dor!

 

Sede sempre rebeldes, trabalhai!

Escrevei sem que solteis, sequer, um “ai”,

Porquanto o tereis feito por amor…

 

 

IMAGEM RETIRADA DA INTERNET

sinto-me :
publicado por poetaporkedeusker às 16:19
link do post | "poete" também! | favorito
|
6 comentários:
De a 12 de Janeiro de 2010 às 13:00
Mª João, primeiro queria desculpar-me pela minha ausencia. Não estar bem não deve ser nunca uma desculpa para não se visitarem os amigos.
Mas passei, li e gostei. Do prmeiro então...é uma lição.
Deixo-lhe um beijinho e a promessa de um café com natas, quando estiver melhor.
De poetaporkedeusker a 12 de Janeiro de 2010 às 14:12
Obrigada, Fá! Fico à espera do café com natas e espero que seja rapidinho :)) se isso significar que a sua vida já está em ordem. A tacinha está muito bem arrumadinha, longe do alcance daquele meu famoso bando de "fazedores de asneiras" :))... coitados deles! Esta noite choveu-me imenso nas marquises e estive a pontos de acreditar que elas iam voar inteirinhas ou que os vidros se iriam quebrar... quase não dormi porque o meu andar é todo rodeado por marquises. Foi um senhor susto! Nunca imaginei que aquelas estruturas metálicas e envidraçadas pudessem resistir a tanto vento! Até vergavam para dentro como se fossem mesmo rebentar... mas parece que já passou o pior...
Um enorme abraço e que tudo comece a melhorar muito em breve!
De linhaseletras a 12 de Janeiro de 2010 às 14:12
Boa Tarde, lindos estes sonetos, gostei muito do primeiro e do ultimo principalmente, embora eu goste de tudo o que a minha amiga escreve, há sempre alguns que me despertam mais a atenção.
Uma boa semana para si e espero que já esteja recuperada.
Um grande abraço


De poetaporkedeusker a 12 de Janeiro de 2010 às 14:19
Um grande abraço também para si, Idalina! Obrigada pelas suas palavras... comigo acontece exactamente o mesmo, tanto em relação aos meus poemas como em relação aos seus e aos muitos outros que vou tentando ler. É muito natural que assim seja... cada leitura deixa, num poema, uma marca diferente, inerente àquele que o lê.
As coisas estão um poucos mais duras do que eu esperava para este 2010... mas paciência. Vou fazer por produzir até à última e reconhecer que há limites para tudo.
Um bjo!
De poetabrasil a 13 de Janeiro de 2010 às 03:32

Ao nascer de um novo dia, lendo poemas de tão refinada inspiração, vieram-me também alguns versos por solução. Arrisco-me, pois, num soneto decassílabo.

AMARRAS DA VIDA

Não posso deixar de colher os lírios,
Pois eles traduzem minha vida.
Por mais forte que seja a minha lida
Ao colhê-los sinto sempre delírios .

Nos campos faço belas frases de amor
A quem já desconheço o coração,
Cujo pulsar não me traz nenhum rancor,
Mas recorda-me forte comoção.

Ando pelo jardim sem colher flores,
Levando com o vento todo o clamor
Do sentir traduzido só em dores.

Do amor não se leva apenas louvores,
Pois a vida tem todo o seu rigor,
E nela mostramos os dissabores.
De poetaporkedeusker a 13 de Janeiro de 2010 às 16:25
E fez muito bem em aventurar-se, meu amigo! Fico-lhe muito grata.
Ainda não tive tempo para ir à minha outra cx de correio... mas irei assim que puder.
Abraço GDE!

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. GLOSANDO JOÃO MOUTINHO

. GLOSANDO A POETISA MARIA...

. INFILTRAÇÔES

. O POEMA E EU

. CALADA

. GLOSANDO MARIA DA ENCARNA...

. GLOSANDO HELENA FRAGOSO I...

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds