.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Sexta-feira, 11 de Setembro de 2009

UM POST MUITÍSSIMO DIFERENTE

Hoje não há soneto! Ao menos uma opção eu consegui fazer... e escolhi o que daqui vai sair e cujo conteúdo vai ser absolutamente espontâneo, ao correr do teclado e de algumas "penas" que por cá ainda vão permanecendo... também não vai dar para a Fábrica de Histórias. Autores, peço-vos, publicamente, perdão mas não consegui gerir o meu tempo dentro destas limitações todas... vai ser um post-porkedeusker, sem versos nem rimas.

Ontem cheguei do hospital a cambalear de cansaço. Movia-me, no entanto, a vontade de publicar o meu soneto do dia, razão pela qual nasceu aquela "composição bucólica" do post anterior, publicada em cima da dead-line do inevitável - e desejável - fecho do Centro Pastoral. Tudo mais ou menos, tudo muito "a segurar pelas pontas", como se não houvesse amanhã... ou hoje. Hoje - afinal havia "hoje"... :) - acordei tarde e más horas, toda partidinha e incapaz de tomar um duche num período de tempo inferior às duas horas que me separavam da hora do almoço... é triste, mas é assim que eu estou a funcionar.

Voltando um pouco atrás, recordo-me, mais uma vez, do dia de ontem... de ter abandonado o Centro Paroquial, ter ido a casa tratar dos gatos e passear o Kico, tudo isso numa linha de "mais morta do que viva", bem à maneira do "I`ll see you in my dreams", mas sempre com a mesma determinação de poeta obstinada. Assim vou conseguindo sobreviver e consigo afirmar, sem mentir, que sou uma mulher feliz, partindo do princípio que a maioria de vós entende que me refiro ao valor que dou aos dons que me foram concedidos e não ao desafogamento material. Pois bem, no dia de ontem recebi um telefonema com uma oferta de trabalho. Exultei, antes de conseguir raciocinar. Fiquei de me informar sobre as condições de pagamento e de telefonar ainda hoje ou amanhã para combinar os últimos detalhes mas, mal desliguei, fez-se luz no meu espírito. Era uma situação de trabalho que me exigia apenas os fins-de-semana, mas era longe, muito longe de minha casa. Como poderia eu garantir um mínimo de qualidade na prestação de um serviço, se lá chegasse no estado lastimoso em que me encontro agora, pelo simples facto de ter ido a um hospital que fica bem mais perto? E mil outras pequeninas-grandes coisas. Se fosse muito perto da zona em que habito, talvez eu pudesse aceitar, embora esta seja uma situação que exige mais de nós do que aquilo que pode parecer à primeira vista... mas tão longe? Em que miserável estado me apresentaria eu, todos os sábados, às nove da manhã? E nos dias das cólicas, das cefaleias, da ausência absoluta de força física, como poderia eu, com um mínimo de justiça e dignidade, aceitar um trabalho a que não conseguiria comparecer na maioria das vezes?

Ainda não fiz o telefonema, ainda não tomei a decisão definitiva, mas vou ter de fazê-lo hoje ou amanhã. Neste momento sinto-me sem grande coragem para o fazer... imaginei que escrever assim, à toa, me viesse ajudar nesse sentido, mas a verdade é que continuo a oscilar entre ver resolvidos os meus problemas financeiros mais imediatos e a certeza de me ser, fisicamente, impossível aceitar...

 

 

Imagem retirada da internet

Tela de Seurat "Domingo na Ilha de Grande Jatte

Tela pintada durante os anos de 1884 e 1886.

sinto-me :
publicado por poetaporkedeusker às 14:19
link do post | "poete" também! | favorito
|
26 comentários:
De a 11 de Setembro de 2009 às 16:07
Tenho a certeza que vai tomar a decisão certa.
Beijinho.
De poetaporkedeusker a 11 de Setembro de 2009 às 16:59
E há lá decisão certa, Fá? E eu que nem costumo ser nada indecisa nestas coisas... até costumo conseguir ser muito realista neste tipo de decisões. O melhor é deixar passar o dia de hoje. Amanhã talvez esteja um pouco mais descansada da viagem de ontem e talvez consiga decidir alguma coisa...
Bjinho!
De linhaseletras a 12 de Setembro de 2009 às 00:43
Olá amiga, eu sei que foi difícil tomar a sua decisão, fosse ela qual fosse.
Quando nós precisamos muito de uma coisa e não a podemos fazer é muito difícil tomar a decisão certa, é uma pena não ter saúde para poder aceitar esse trabalho, porque ia-lhe fazer muito bem, não só financeiramente como psicologicamente.
Um abraço e que tenha passado um bom fim de semana
De poetaporkedeusker a 14 de Setembro de 2009 às 12:08
Mas não pude mesmo, minha amiga. A D. Fernanda e a D. Isa também não se podiam disponibilizar para tratar dos animais e eu fico mesmo de gatas só de fazer um percurso um pouco mais longo nos transportes públicos. É melhor assim. Se iniciasse o trabalho e deixasse de poder comparecer seria bem pior.
Abraço GDE!
De M.Luísa Adães a 12 de Setembro de 2009 às 10:37
é evidente, há muitas limitações para uma
oferta de trabalho.
E uma oferta no Centro Paroquial?

Que bom seria, sentir-te em Paz, longe de
todas as atrofias de uma vida complexa e de
uma saúde precária.

Que bom seria ajudar na Homilia,
ver a luz de outra forma
e gritar em pleno e força
e dizer :
eu escrevo e sou boa no escrever!

Muito bom o teu texto.

Melhoras,

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 14 de Setembro de 2009 às 12:12
Não, amiga. Seria um trabalho também meritório, mas para o qual já não estou fisicamente apta. Tratar de uma idosa doente.
Mas não pode ser mesmo. Espero que já te tenham contactado pois eu entrei em contacto com uns colegas da blogosfera que talvez pudessem ajudar com os cãezinhos da Serra da Arrábida. Durante o fim de semana estive incontactável e ainda não sei de nada. Dentro de minutos terei de sair, mas volto depois!
Abraço grande!
De M.Luísa Adães a 14 de Setembro de 2009 às 18:28
Mª. João

Até agora ninguém me contactou.
Mas não andes à pressa e descansa mais.
O que foi possível fazer, eu fiz, o resto fica sob o Olhar de Deus.
Ele sabe que não podemos mudar o mundo
e a insensibilidade é grande, enorme, em relação aos animais.
Para um pouco, não penses no que faz sofrer.

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 15 de Setembro de 2009 às 14:45
Já foi lançado um apelo num grupo que apoia os animais abandonados. Dei-lhes o endereço do teu blog. Ainda acredito que tudo se consiga resolver!
Abraço GDE!
De M.Luísa Adães a 15 de Setembro de 2009 às 15:21
Mª. João

Obrigada pelo teu esforço.

Vamos aguardar!

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 15 de Setembro de 2009 às 17:05
Vamos aguardar com muita fé!
Abraço grande!
De cateespero a 12 de Setembro de 2009 às 12:20
Amiga M. João!
Sempre a "rasgar" como nos habituou... Tenho passado em "silêncio" mas passo. Saúde e um bom fim-de-semana! Abraços. António
De poetaporkedeusker a 14 de Setembro de 2009 às 12:14
Meu querido amigo! Eu tenho andado sempre a correr, sem tempo para parar nos meus amigos... mas vi o soneto de minha autoria que fez o favor de publicar!
Um grande abraço!
De Fisga a 12 de Setembro de 2009 às 18:54
Olá amiga João. Espero que estejas mais animada. Vi pelo teu post que Tiveste uma oferta de emprego. Tomei conhecimento da tragédia que te embaraça as tuas decisões. Mas de uma coisa eu estou certo. A decisão que tu tomares será com toda a certeza a decisão certa. Quanto á tua saúde, pensa sempre primeiro em ti e depois nos outros, e não é egoísmo no teu caso. É isso sim bom senso. Um grande abraço. Eduardo.
De poetaporkedeusker a 14 de Setembro de 2009 às 12:16
Olá amigo! Desta vez começava mesmo a ficar assustada com a tua ausência! Olha, vou continuar como até aqui. Não tenho mesmo hipótese nenhuma, sobretudo porque o local de trabalho era muito, muito longe.
Um grande abraço!
De Fisga a 14 de Setembro de 2009 às 16:10
Olá minha querida amiga. Quantas saudades. Não estejas preocupada comigo, eu estou bem. Tens que ter preocupação é com o teu estado de saúde. Vi que decidiste recusar a oferta, acho que terá sido a melhor opção. Acima de tudo porque foi a tua decisão. Olha amiga Eu não sei para onde cair, está tudo atulhado de mensagens. Os comentários já lhe dei uma arrumação. Agora as mensagens, sinceramente, são cerca de 129, não decidi ainda como fazer. Um grande abraço deste amigo do peito. Eduardo.
De poetaporkedeusker a 14 de Setembro de 2009 às 16:42
Eu também fiquei com sessenta e tal durante o fim de semana, amigo. Olha, vamos fazendo como pudermos! Eu também não tinha quem me ficasse com os animais e tenho a certeza de que só aguentava ir uma ou duas vezes... se aguentasse! Também me não pagariam segundo os preços da tabela dos técnicos de cuidados paliativos e sabes como são dispendiosos os transportes... enfim... ainda se fosse perto de casa, eu aguentava com certeza, mas era para muito longe e eu sei como chego a Lisboa sempre que lá tenho de ir... sempre para ir a um hospital.
Abraço grande e não te atrapalhes a querer responder a tudo ao mesmo tempo. Vai devagarinho.
De Fisga a 14 de Setembro de 2009 às 20:47
Olá amiga João. Deixa lá Deus nunca fechou uma porta que não abrisse outra. Eu assim tenho ouvido sempre. Abraço. Eduardo.
De poetaporkedeusker a 15 de Setembro de 2009 às 14:42
Sempre, amigo! Temos é de estar atentos.
Um grande abraço e muita força!
De Maria a 12 de Setembro de 2009 às 21:44
Amiga João

Por vezes tomar certas decisões não é nada fácil, mas a que tomar certamente foi bem pensada e a melhor.

Que tome a melhor decisão para si.
Beijinhos
De vitor a 13 de Setembro de 2009 às 14:22
Amiga,uma mente sã,embora num corpo frágil,há-de tomar a decisão mais acertada.
Que tudo corra bem!

Bj*
De poetaporkedeusker a 14 de Setembro de 2009 às 12:26
Acabou por ser a decisão possível, amigo. Continuo por cá enquanto puder. Era muito, longe e eu não aguentaria. Eu já experimentei muitas viagens até ao hospital e sei bem como fico... fico incapaz de tratar de mim, quanto mais de uma pessoa idosa doente.
Abraço grande!
De poetaporkedeusker a 14 de Setembro de 2009 às 12:18
Já tomei, minha querida Maria. Continuo por cá, como até aqui. É a decisão possível neste momento.
Um grande, grande abraço!
De Simbologia do aMoR a 13 de Setembro de 2009 às 21:04
Oi amiga

Que Deus te ilumine na melhor decisão.
Se eles souberem das suas fragilidades e aceitarem do mesmo modo seria uma tentativa, mas a luz virá para a decisão que for tomada.

Um abraço e melhoras.

De poetaporkedeusker a 14 de Setembro de 2009 às 12:19
Já está minha amiga. Havia um milhão de contras e eu tomei a decisão possível. Continuo por cá, enquanto puder.
Abraço muito grande!
De *FreeStyle* a 14 de Setembro de 2009 às 09:20
Xô Dona Poeta...

E que tal aceitar apenas para experimentar?
Digo isto pk quiçá não fosse tb algo diferente, que lhe daria outra vida, ver coisas novas quiçá isso ás vezes ajuda a vivermos melhor.

Pk não experimentar Xô Dona Poeta?!?!



Bêjuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu
De poetaporkedeusker a 14 de Setembro de 2009 às 12:23
Xô seu Free do mê ... era muito, muito longe e eu sei como fico depois de uma viagem de horas nos transportes públicos...
Se aparecesse uma coisinha em part-time, com menos envolvimento físico e mais perto de casa, aí eu tentaria mesmo!
Bêjuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu!

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. A MEDALHA E O DIPLOMA - ...

. INFORMAÇÃO A TODOS OS AMI...

. SONETO A PRETO E BRANCO

. GLOSANDO A POETISA MARIA...

. O VIGÉSIMO SEXTO DIA

. SÁBADO, DOMINGO, SEGUNDA ...

. MEMÓRIA(S) DO NÁUFRAGO-PE...

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds